Doação de sangue

Dra. Fortunée, responsável técnica pelo Hemonúcleo Municipal de Teresópolis e Rita Valadão, assistente social

Mais que uma doação, um ato de amor para com o próximo.

 

Estiveram participando do programa Super Mais, Dra. Fortunée, responsável técnica pelo Hemonúcleo Municipal de Teresópolis e Rita Valadão, assistente social, para levar um pouco mais de informação sobre a doação de sangue, já que é muito comum as pessoas terem dúvidas e até mesmo muito medo em doar. Foi um bate papo muito esclarecedor e em uma linguagem muito simples que trouxeram inclusive, muitas curiosidades sobre o armazenamento das bolsas de sangue, por exemplo.
A minha primeira pergunta foi sobre a importância desse gesto tão nobre. “A importância da doação de sangue para o receptor, é de viver. Ele depende da doação para viver ou sobreviver a alguma doença”, declara a assistente social Rita Valadão.

Já Dra. Fortunée, nos explica que quem doa sangue pode salvar a vida de até 4 pessoas, já que as bolsas de sangue podem ser fracionadas em até 4 hemo componentes. Em Teresópolis, costuma-se fracionar em 2 hemo componentes , plasma e hemácias e em alguns momentos até plaquetas que é outro hemo componente. Não temos substituto para o sangue. “Eu gosto de lembrar que a transfusão de sangue é o primeiro transplante da humanidade,as pessoas tem que encarar como um transplante, da mesma forma que você pode precisar de um rim, fígado ou outro órgão, você pode precisar de sangue para sobreviver”, afirma Dra. Fortunée. “O sangue não é um órgão sólido, é um tecido líquido, mas é um transplante”, conclui.

“A importância da doação de sangue para o receptor, é de viver. Ele depende da doação para viver ou sobreviver a alguma doença”

Mais segura

Hoje em dia ela é mais segura, por conta da experiência ao longo dos anos. O ato de doar sangue e receber vem desde o início do século passado, contudo, nessa época não se conhecia os grupos sanguíneos, que só foi acontecer em 1904. “É tudo muito recente embora seja o mais antigo dos transplantes”, acrescenta a doutora.
O número de doações no país diminuiu consideravelmente nos últimos anos, não se sabe o motivo, porém sabe-se que não tem a ver com a questão de transmissão de doenças pela doação de sangue, uma vez que hoje em dia o procedimento é mais seguro com materiais descartáveis. A questão de divulgação tem sido menos intensa por parte do governo, apesar de existir uma coordenação de sangue do Ministério da Saúde que é muito ativa, mas é um processo lento. Na cidade do Rio de Janeiro, por exemplo, existe a questão da distância e em vários casos a disponibilidade das pessoas, o que não acontece aqui em Teresópolis com relação á distância, já que o hemonúcleo é bem central. Um dos maiores problemas em se manter um estoque razoável, e que já foi constatado, são as doações que são feitas para alguém em específico, ou seja, uma pessoa vai doar porque o amigo vai operar, ou aconteceu alguma coisa e ele precisa de sangue, “Precisamos manter um estoque. Um acidente de carro por exemplo, pode acontecer a qualquer momento, e se não tivermos sangue em estoque a pessoa pode morrer”, afirma Dra. Fortunée.
Em outros países, principalmente da Europa, existe um desprendimento maior na doação de sangue, eles entendem que é importante para todos, já faz parte da cultura européia. No Brasil, ainda temos muito o que fazer para mudarmos esse quadro.

“Precisamos manter um estoque. Um acidente de carro por exemplo, pode acontecer a qualquer momento, e se não tivermos sangue em estoque a pessoa pode morrer”, afirma Dra. Fortunée

De três em três meses

A doação de sangue pode ser feita de três em três meses, mas é muito comum as pessoas ficarem esperando algum pedido específico para fazerem a doação, aquela velha história de que quando for solicitado, a pessoa doadora já ter feito a doação recentemente e não poder doar em seguida.
O indivíduo pode realizar o procedimento até quatro vezes por ano. A mulher pode doar de três em três meses, e o homem de dois em dois meses, não podendo ultrapassar as quatro vezes por ano.
“A população que pode doar, se o fizesse duas vezes por ano, já estaria de bom tamanho e nosso estoque estaria bom”, afirma Rita Valadão.
A necessidade de se ter um estoque é importante, pois se acontecer alguma coisa de uma hora para outra, o hemonúcleo terá como ajudar. O sangue tem validade de 35 dias sob refrigeração, o plasma tem uma validade maior, mas as plaquetas por exemplo, a validade é de apenas 5 dias. A bolsa de sangue não pode ficar mais do que isso nas geladeiras dos hemonúcleos, e após esse período elas devem ser descartadas.
Segundo Rita Valadão, a primeira coisa que as pessoas tem que ter em mente é a seguinte frase: “hoje vou fazer uma boa ação. As pessoas tem que pensar assim”.

“Uma doação de sangue pode salvar a vida de até quatro pessoas” afirma Dra. Fortunée

Alguns procedimentos

Para a doação de sangue, o doador tem que ter uma boa noite de descanso, não pode ir em jejum, deve tomar um café da manhã porém sem o consumo de gorduras, como o leite, por exemplo. A partir dos 16 anos já se pode doar, contudo, é necessário que o adolescente tenha o termo de consentimento, que é preenchido lá no hemonúcleo, assinado pelos pais e até os 67 anos e 11 meses. É imprescindível que as pessoas que querem doar, sejam comprometidas com as outras pessoas.
Nossa cidade tem a característica de acidentes freqüentes, daí a importância da doação de sangue, pois precisamos estar preparados para atender a essa demanda. O Hemonúcleo Municipal de Teresópolis tem parceria com o HCT que é pra onde vai o sangue coletado. A solidariedade para com o hemonúcleo é muito grande, além dos doadores de sangue. É importante ressaltar que para a mulher, a menstruação não é impeditivo para doação, desde que ela não esteja anêmica.
Rita nos contou que o hemonúcleo da cidade realiza palestras em algumas escolas para conscientizarem os futuros doadores, e que durante as palestras, os alunos podem tirar dúvidas e conhecer o procedimento, quebrando inclusive alguns tabus muito comuns ao tema.
O Hemonúcleo Municipal de Teresópolis fica na Rua Francisco Sá, 299, ao lado da Receita Federal. O telefone para maiores informações é o 3641-5872
Email: hemotere@yahoo.com.br
Facebook: Hemonucleo de Teresópolis
Funcionamento para doação: de 2ª a 5ªfeira das 08:00h ás 12:00h e as 6as feiras das 08:00h ás 11:30h.

 

 

Deixe seu comentário

Todos os dias nas bancas, o DIÁRIO traz pra você as mais elaboradas reportagens, reclamações da população com o Diário Comunidade, as matérias policiais, políticas, cultura, esporte, entretenimento e tudo mais para manter o teresopolitano informado. Além da melhor seção de classificados da região. O DIÁRIO tem a sua trajetória inserida na história do município de Teresópolis e trabalha com profissionais especializados e graduados, sempre em busca do melhor jornalismo. Leia O Diário de Teresópolis. Nas bancas.

Deixe uma resposta

Diario TV

Carregando...

Facebook

Twitter Diário TV

Assine nossa newsletter

Loading...Loading...