Mulheres são maioria do eleitorado teresopolitano em 2016

A partir da análise dos índices referentes ao nosso município podemos afirmar que a maioria dos eleitores é composta por mulheres, de 19 a 45 anos e com quase 80% desta população, abaixo do nível de escolaridade referente ao Ensino Médio Completo

A partir da análise dos índices referentes ao nosso município podemos afirmar que a maioria dos eleitores é composta por mulheres, de 19 a 45 anos e com quase 80% desta população, abaixo do nível de escolaridade referente ao Ensino Médio Completo

– Números do TSE mostram um universo de eleitores com baixa escolaridade e quase 80% não terminou o Ensino Médio

No próximo dia 02 de outubro, Teresópolis terá no caminho da urna, 126.595 eleitores aptos a participarem do pleito municipal. Segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral, em todo o Brasil somos 144.088.912 brasileiros com esse direito e esses, entre outros dados estatísticos, estão disponíveis no sistema oficial do TSE em seu portal na internet. A partir da análise dos índices referentes ao nosso município podemos afirmar que a maioria dos eleitores é composta por mulheres, de 19 a 45 anos e com quase 80% desta população, abaixo do nível de escolaridade referente ao Ensino Médio Completo. Além de apresentar uma redução do público masculino no universo de eleitores, o estudo do Tribunal também aponta para uma elevação abaixo dos índices de municípios vizinhos no que diz respeito a progressão do eleitorado e apenas 820 eleitores entre os 16 e 18 anos estão aptos a votarem, justamente na faixa etária onde o voto é facultativo para os jovens.

Em 2012, quando tivemos o último pleito para a sucessão da Casa Rosada, éramos cerca de 122 mil eleitores, e com relação ao crescimento apresentado de uma eleição para outra, Teresópolis teve uma elevação modesta desse público, se comparado a índices de cidades vizinhas como Nova Friburgo e Petrópolis. A população de eleitoras teresopolitanas é maior, 52% são mulheres, enquanto 47% são homens. Também no eleitorado nacional, as mulheres são maioria: 74.459.424, ou 52,13%, enquanto os homens são 68.247.598, ou 47,79% do total. Os eleitores com 16 e 17 anos correspondem a 2.311.120 (1,60%), e os com 70 anos ou mais somam 11.352.863 (7,88%).

 

– Escolaridade em Teresópolis é baixa: 79% não concluiu o Ensino Médio

As eleições municipais deste ano terão um eleitorado de maior escolaridade, em comparação com as duas últimas eleições, isso no país inteiro, porque aqui em Teresópolis, esse índice continua preocupante. Nos números nacionais vemos que em 2012, aqueles que não haviam concluído o Ensino Fundamental eram a maioria, com 51%, incluindo os analfabetos e os que sabiam ler e escrever. Este ano esse grupo caiu para 44,17% do eleitorado e, em 2014, o percentual foi de 47,56%. Teresópolis tem em 2016 neste recorte de público 48,60% da população.

No Brasil, também aumentou o percentual dos que passaram pela universidade. Os eleitores com ensino superior completo ou incompleto, em 2016, respondem por 10,7% do eleitorado. Em 2012, eles eram 7,5% e, em 2014, 9,2%. Em Teresópolis essa parcela corresponde a 10,28% da população. Já o percentual dos que possuem o ensino médio completo ou incompleto é de 38% em 2016 em todo o país, enquanto em Teresópolis são 33,40%. Todos os dados fazem parte das estatísticas do eleitorado divulgadas no início do mês pelo TSE. O número de eleitores neste ano é 4% maior que nas últimas eleições municipais, em 2012. Serão 144 milhões em todo o país.

Este ano aumentou o número de cidades que poderão ter segundo turno, por terem mais de 200 mil eleitores. Serão 92 nessas eleições, ante 83 em 2012. Também cresceu a utilização da biometria, quando o eleitor é identificado pela impressão digital na hora de votar. O sistema será usado em 27,66% dos municípios (1.540 cidades). Em 2012, foram 299 municípios, ou 5,37%. Há ainda outros 840 municípios que utilizarão a biometria em apenas uma parte dos locais de votação. Assim, no total, 2.380 cidades terão urnas biométricas. Aumentou o número de jovens de 16 e 17 anos que poderão votar nas eleições municipais deste ano, em relação à eleição presidencial de 2014, mas o número ainda é menor que nas últimas eleições municipais, em 2012. Este ano há 2.311.120 jovens com título de eleitor, um crescimento de 41% em relação a 2014, quando eram 1.638.469. Já em 2012 eram 2.902.672 os jovens de 16 e 17 anos que poderiam votar, o que representa uma queda de 20% nestas eleições em relação à última disputa municipal. O voto só é obrigatório a partir dos 18 anos, mas aos 16 os jovens já podem participar de eleições se quiserem.

 

– Fiscalização cidadã e o aplicativo Pardal

O TSE anunciou este ano que uso do aplicativo Pardal, já utilizado por alguns Tribunais Regionais Eleitorais, será generalizado para estas eleições. O software permite ao eleitor fotografar situações irregulares de campanha e encaminhar previamente à Justiça Eleitoral e ao Ministério Público. “Esses sinais evidentes de abusos de riquezas poderão ser constatados pelos próprios eleitores e poderão ser comunicados à Justiça Eleitoral e ao Ministério Público Eleitoral. Portanto, de alguma forma nós estamos fazendo um esforço para que a legislação seja cumprida”, disse o Presidente do Tribunal Gilmar Mendes.

O ministro Gilmar Mendes também chamou atenção para o fato de, pela primeira vez, haver a proibição da doação de pessoas jurídicas às campanhas eleitorais, prática que será permitida apenas às pessoas físicas, com a proibição da doação anônima. “Nós aqui no TSE temos falado de um risco de uma chamada ‘captura de CPFs’ ou ‘caça CPFs’, que é tentar achar pessoas que se disponham a colocar o seu CPF à disposição para doações, o que também não se recomenda”, advertiu. O presidente do TSE afirmou que essas eleições serão tidas como um experimento diante das novas regras estabelecidas pela Reforma Eleitoral de 2015 (Lei nº 13.165/2015), e defendeu a discussão, junto ao Congresso Nacional, de uma reforma política substancial para as próximas eleições.

“Nós não podemos mais conviver com essa situação de multiplicação de partidos. Estamos aí com 29 partidos representados no Congresso Nacional, 35 ou 36 partidos habilitados, recebendo um montante significativo de fundos sem fazer jus a isso. […] Isso compromete o sistema e nós precisamos rever”, ponderou ao louvar, em nome da Justiça Eleitoral, a iniciativa do sistema político de ensejar essas reformas já tardias, na opinião dele. O ministro finalizou a coletiva informando que os custos para a realização das eleições municipais de outubro são estimados em R$ 600 milhões. Os dados estatísticos oficiais sobre o pleito deste ano estão disponíveis no portal do TSE, na aba “Eleições”, “Eleições 2016”, link “Estatísticas eleitorais 2016”.

 

Deixe seu comentário

Anderson Duarte é formado em Comunicação Social com mestrado na área de Tecnologia e Informação e especialização em Telecinejornalismo, atua na imprensa desde a década de 90, ainda no Rádio. Passou por veículos como Jornais, Mídias Governamentais e Televisão, também atuou na área da Assessoria Política, editoria que hoje se dedica enquanto articulista. Âncora do telejornal Jornal Diário, comanda desde a sua formação em 2008, o jornalismo da emissora Diário TV, fruto do tradicional O DIÁRIO de Teresópolis, onde também coordena juntamente com Marcello Medeiros o departamento jornalístico.

Deixe uma resposta

Diario TV

Carregando...

Facebook

Twitter Diário TV

Assine nossa newsletter

Loading...Loading...