Visite nossas redes sociais:

edição digital

leia

Antigo prédio do IBGE é implodido e dará lugar a conjunto habitacional

Data: 14/05/2018

Antigo edifício do IBGE na Mangueira, no Rio de Janeiro, foi implodido neste domingo. No local serão construídas unidades habitacionais do Minha Casa, Minha Vida/Prefeitura do Rio de Janeiro/divulgação

Léo Rodrigues – Repórter da Agência Brasil  Rio de Janeiro

 
Um antigo prédio que pertenceu ao Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) foi implodido na manhã do último domingo (13) no Rio de Janeiro. Localizado na Mangueira, bairro da região central da cidade, o edifício vinha servindo de moradia para centenas de famílias sem-teto há cerca de duas décadas. A União cedeu ao município o terreno, onde será erguido um conjunto habitacional do programa governamental Minha Casa, Minha Vida. As famílias serão reassentadas.

O prédio fica na rua Visconde de Niterói e foi adquirido pelo IBGE em meados dos anos 1970, quando ocorreram obras de ampliação. O imóvel serviu ao órgão até 1997. Ali ficavam as áreas de pesquisas e de informática do instituto, que foram deslocadas para onde funcionam até hoje, no edifício Rio Metropolitan, na Avenida Chile, no centro do Rio de Janeiro. De acordo com a prefeitura do Rio de Janeiro, ocupações de sem-teto tiveram início já no final da década de 1990. Segundo laudos da Defesa Civil Municipal, o imóvel apresentava problemas estruturais e corria risco de incêndio e desabamento.

A prefeitura informou que a implosão seguiu o cronograma planejado e ocorreu às 7h quando 150 quilos de explosivos foram detonados. Para o procedimento, foi interditada a rua Visconde de Niterói e também vias adjacentes. Os moradores de imóveis situados num raio de 150 metros foram orientados a deixar suas residências e só retornarem após a liberação da área pela prefeitura. Houve ainda uma recomendação para que fechassem portas e janelas para evitar a entrada de poeira.

O transporte público também foi afetado na região. Foram realizados desvios no itinerário de algumas linhas de ônibus. No metrô, a proximidade de algumas vias da Linha 2, fez com que o serviço entre as estações Pavuna e Estádio se iniciasse mais tarde. O mesmo ocorreu com os trens da Supervia, nos ramais Saracuruna e Belford Roxo, que começaram o dia operando apenas até a estação Triagem. A circulação normal foi retomada às 7h45.

Cinco toques de sirenes foram realizados às 6h30, às 6h50, às 6h55, às 7h e às 7h15. O quarto sinal sonoro coincidiu com a implosão. O quinto determinou a liberação da área após a checagem dos técnicos.

Reassentamento
De acordo com a prefeitura, foram cadastradas 210 famílias sem-teto que viviam no edifício e serão reassentadas no conjunto habitacional que será construído no local cujo projeto prevê 320 unidades de 40 metros quadrados. Os apartamentos são compostos por sala, dois quartos, banheiro, cozinha e área de serviço.

O acompanhamento das obras é de responsabilidade da Caixa Econômica Federal, que administra o programa Minha Casa, Minha Vida. Até a inauguração do conjunto habitacional e a entrega das unidades, as famílias receberão da prefeitura o aluguel social. Trata-se de um benefício no valor de R$ 400 mensais para que possam alugar quartos ou casas temporariamente.

Compartilhar:






ÚLTIMAS NOTÍCIAS

UFRJ vai discutir com Polícia Civil sequestro de professores

História de vida de teresopolitana inspira livro editado pela ATL

Campanha alerta consumidor para "armadilhas" na hora de comprar

Inea oferece curso de educação ambiental para jovens

Taxa de inscrição no Enem deve ser paga até quarta-feira

        2742-9977   |   leitor@netdiario.com.br   |  Rua Carmela Dutra, 765 - Agriões Teresópolis/RJ