Visite nossas redes sociais:

edição digital

leia

Combate a irregularidades em imóveis rurais é lento

Data: 11/10/2017

Frente Parlamentar Ambientalista, presidida pelo deputado Carlos Minc, realizou uma audiência pública na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro - Foto Rafael Wallace

Cinco anos após a aprovação, no Congresso Nacional, do novo Código Florestal, o Rio de Janeiro ainda está longe de acabar com as irregularidades nas propriedades rurais do estado. Para debater o tema, a Frente Parlamentar Ambientalista, presidida pelo deputado Carlos Minc (sem partido), realizou uma audiência pública, nesta segunda-feira (09), na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj). De acordo com dados do Instituto Nacional do Ambiente (Inea), embora 68% dos imóveis rurais do estado estejam inscritos no Cadastro Ambiental Rural (CAR), apenas 1% chegou à etapa seguinte, que é validar este cadastro. Por meio do CAR, os proprietários declaram as reservas legais e áreas de preservação permanente em suas terras.
Somente após a validação do cadastro é que a propriedade pode ser incluída no Programa de Regularização Ambiental (PRA), um dos itens do Código Florestal para regularizar as propriedades rurais de todo o país. Em outras palavras, na prática, os problemas nos imóveis só poderão ser mapeados e solucionados com as ações propostas no PRA - ponto central do novo Código Florestal e apontado por ambientalistas como o maior avanço da nova legislação federal.
De acordo com Minc “os processos do CAR e do PRA seguem muito lentos. O PRA é o que mais interessa, é o objetivo. São os programas de recuperação e restauração ambiental”, afirmou. O prazo para a inscrição no Cadastro Ambiental Rural já foi prorrogado duas vezes e há a previsão de uma nova prorrogação para dezembro de 2018.
Roberta del Giudice, representante do Observatório do Código Florestal, explica que o fim do prazo do cadastramento estabelece o início do programa. “Se não tiver o fim do CAR, a fase de implementação nunca vai começar. A gente não pode mais atrasar, pois já tivemos prejuízo demais.”

Investimentos
De 2014 a 2016, o estado do Rio investiu R$ 4,5 milhões na execução do CAR. Foram 967 técnicos capacitados, 372 reuniões com prefeituras e 72 mutirões de cadastramento, segundo informações do Inea. Porém, alguns desafios impedem maiores avanços: “Baixa adesão dos municípios, falta de estrutura física e pessoal, ausência de parceria com órgão de assistência técnica rural, corpo técnico reduzido e escassez de recursos financeiros”, enumera Julia Bochner, diretora de Biodiversidade, Áreas Protegidas e Ecossistemas da instituição.

Propostas
Minc propôs a conversão das multas ambientais em recursos para a recuperação. “Queremos converter essas dívidas em verbas para reflorestar milhares de hectares. Além disso, outro ponto decidido aqui é que vamos trabalhar para incluir na lei do ICMS Verde, que concede mais recursos para os estados que tomam medidas sustentáveis, a possibilidade de que os municípios façam convênios para ajudar a validar esses cadastros.”

 

 

Compartilhar:






ÚLTIMAS NOTÍCIAS

UFRJ vai discutir com Polícia Civil sequestro de professores

História de vida de teresopolitana inspira livro editado pela ATL

Campanha alerta consumidor para "armadilhas" na hora de comprar

Inea oferece curso de educação ambiental para jovens

Taxa de inscrição no Enem deve ser paga até quarta-feira

        2742-9977   |   leitor@netdiario.com.br   |  Rua Carmela Dutra, 765 - Agriões Teresópolis/RJ