Cadastre-se gratuitamente e leia
O DIÁRIO DE TERESÓPOLIS
em seu dispositivo preferido

Ferramenta ajuda no controle do uso de agrotóxicos no estado

Emater auxilia produtores na implantação da rastreabilidade, sistema que amplia fiscalização no setor

No dia 11 de janeiro é lembrado o Dia do Controle da Poluição por Agrotóxicos. Esta data serve para conscientizar sobre o uso indiscriminado do produto e os problemas causados ao meio ambiente e à saúde humana. Tanto que na agricultura, não existe nada mais regulamentado do que o agrotóxico, a fiscalização é feita por leis estaduais e federais, decretos e normas.  No Rio de Janeiro, uma importante ferramenta auxilia nessa ação. Implantado em 2017 e desenvolvido pela Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária, Pesca e Abastecimento (Seappa), o Sistema de Integração Agropecuária (SIAPEC) possibilita o maior controle do uso de agrotóxicos em todo o Estado. – O controle de agrotóxicos é algo feito com muita seriedade no estado do Rio de Janeiro. Nesta plataforma digital reunimos dados sobre a comercialização e uso destes produtos em um único banco de dados.  Além disso, estamos auxiliando com o suporte da Emater os produtores na implantação da rastreabilidade, a nova norma que vai ajudar ainda mais nesse controle – disse Marcelo Queiroz, secretário de Estado de Agricultura, Pecuária, Pesca e Abastecimento.
O SIAPEC realiza todo o monitoramento de controle de entrada de agrotóxicos no estado, até o seu destino final da embalagem. Por isso, todo o trabalho de aquisição desses defensivos só é permitido nas culturas recomendadas. Esse também é o grande foco da rastreabilidade dos produtos, respeitar a dose e intervalo de carência entre a última aplicação e colheita. – Esta ferramenta reúne informações sobre os produtos permitidos no Rio de Janeiro, registros dos fabricantes, receitas agronômicas e relatórios gerenciais, permitindo otimizar os recursos para as ações de fiscalização – disse Leonardo Vicente da Silva, engenheiro agrônomo da Seappa. Outras importantes formas de controle são o Registro Federal, feito pelo Ministério da Agricultura, com autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e do Ibama e o Cadastro Estadual, feito pela Secretaria de Agricultura.

Rastreabilidade 
Esse sistema é usado para monitorar e realizar o controle de resíduos de agrotóxicos na produção de vegetais frescos. Esses alimentos deverão fornecer informações padronizadas para identificar o produtor. Esse modelo visa garantir a qualidade e a segurança desses produtos para o consumidor e já é adotado em outros estados do país. Seguindo uma regulamentação do Ministério da Agricultura, todos os produtores de vegetais frescos do estado do Rio deverão utilizar a rastreabilidade em seus produtos e para auxiliar nessa adequação, a Seappa vem realizando reuniões, parcerias e apoio técnico aos donos de lavouras do Estado.

Alternativas para minimizar o uso de agrotóxicos
– Uso de material geneticamente resistente;
– Manejo integrado de pragas;
– Policultivo;
– Rotação (plantação de diferentes culturas na mesma área);
– Consórcio de culturas (duas ou mais espécies com diferentes características cultivadas no mesmo local compartilhando os recursos);
– Criação de corredores ecológicos;
– Adubação verde;
– Controle biológico;
– Emprego de plantas companheiras e repelentes; 
– Uso de cercas vivas ou cordões de contorno.

 

Tags

Compartilhe:

Edição 22/05/2024
Diário TV Ao Vivo
Mais Lidas

Estado é atingido por temporais e enchentes desde final de abril

Promoção no Parc Magique e fazendinha do Le Canton neste domingo (26)

Amós pode ter o mandato cassado por falta de decoro

Rota de observação de aves em Teresópolis ganha grande projeção

ANIC HERDY: Mulher desaparecida é aluna do Unifeso

WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE