Cadastre-se gratuitamente e leia
O DIÁRIO DE TERESÓPOLIS
em seu dispositivo preferido

Atropelamento na Várzea: Corsa estava a 114 km/h, aponta perícia da Polícia Civil

Com resultado do laudo, motorista será autuado pela morte de mulher na Feliciano Sodré

Luiz Bandeira

Um atropelamento violento, que aconteceu na noite do último feriado de Finados, na Avenida Feliciano Sodré, altura do número 1020, na Várzea, provocou a morte de Simone Rosa da Costa, 49 anos, que aguardava na faixa de pedestre para atravessar a pista no sentido Centro, por volta das 22h30 daquela chuvosa noite. Ela foi violentamente atingida por um veículo GM/Corsa hatch de cor preta, que devido a velocidade não conseguiu desviar e a atingiu, arremessando seu corpo a cerca de 50 metros. Na sequência o motorista ainda perdeu o controle e colidiu contra uma estrutura de concreto do canteiro central da avenida, em ponto muito distante da faixa de pedestres onde ocorreu o choque. Segundo relato de testemunhas, a violência do impacto foi tanta que o calçado usado pela vítima ficou no local em que ela espera pra atravessar. A equipe de socorristas do Corpo de Bombeiros que atendeu a ocorrência relatou que ao chegar para prestar socorro já encontrou Simone sem sinais vitais. Desde o dia do atropelamento, peritos trabalharam colhendo material para formalizar um laudo técnico e agora esse trabalho está concluído e foi anexado ao inquérito, indicando que o veículo estava a aproximadamente 114 km/h, em plena zona urbana do município. Devido ao forte impacto, o motorista do GM foi encaminhado desacordado para o Hospital das Clínicas Constantino Otaviano, onde ficou alguns dias internado, e agora, com a conclusão das investigações, lhe está sendo imputado o crime de homicídio.
Na tarde desta quarta-feira, 29, nossa equipe esteve na 110ª DP para saber qual foi o resultado da investigação. O delegado titular, Dr. Márcio Dubugras, anunciou o resultado do trabalho técnico realizado pela equipe de peritos. “Nós instauramos uma investigação no dia dois de novembro, onde foram feitos vários exames periciais. Durante esse tempo que passou nós colemos vários depoimentos, o laudo pericial da necropsia apontou que ela morreu em virtude da colisão do veículo, ela teve várias fraturas no seu corpo que provocaram a sua morte. O motorista com o seu veículo foi o causador da morte, a vítima Simone Rosa da Costa, estava se preparando para atravessar a rua na faixa de pedestre, quando foi atropelada, então o laudo pericial determinou nesse sentido, que foi morte por fraturas em diversas partes do corpo. Vários depoimentos foram colhidos, depoimentos que afirmavam que o autor exalava cheiro de álcool. Essa era uma informação que foi confirmada por vários depoimentos prestados”, relatou a autoridade policial.
Dr. Marcio informou ainda que a perícia determinou que o veículo encontrava-se em alta velocidade. “Faltava o laudo de exame de local pra analisar a circunstância do fato e o laudo saiu nesta quarta-feira, 30. O Instituto de Criminalística Carlos Ébole (ICCE) emitiu um laudo e o perito definiu que o veículo estava aproximadamente 114 km/h, em uma pista em que a velocidade tem um limite máximo de 60 km/h. Ele estava em uma velocidade extremamente superior a permitida, então com isso nós concluímos que esse autor vai responder por homicídio doloso, por dolo eventual, porque ele assumiu o risco de produzir o resultado. Ele foi o causador daquela morte, ele estava em excesso de velocidade, além da notícia de ter ingerido bebida alcoólica e isso foi a causa que provocou a morte da vítima”, definiu o delegado.

“Ele estava em uma velocidade extremamente superior a permitida, então com isso nós concluímos que esse autor vai responder por homicídio doloso por dolo eventual porque ele assumiu o risco de produzir o resultado”, atenta o Delegado Marcio Dubugras

O motorista envolvido também sofreu ferimentos em decorrência do impacto do automóvel contra uma estrutura de concreto no canteiro central da Avenida Feliciano Sodré. A polícia tentou colher depoimento dele no hospital, porém durante a oitiva ele manteve-se calado, como revelou o delegado. “Ele ficou internado por alguns dias, foi enviada para equipe para colher o depoimento e ele permaneceu em silêncio, que é um direito constitucional”. O delegado informou ainda que o motorista já tem passagem pelo crime de assumir a direção de veículo automotor sob efeito de substância psicoativa. “Nós fizemos pesquisa em nosso sistema e verificamos que existe uma passagem de 2019 em que ele foi parado com suspeita de dirigir sob efeito de substâncias que seria álcool ou drogas. Ele foi conduzido pra delegacia, foi apreendido um material semelhante a um pó branco dentro do veículo e esse material foi encaminhado pra exame, mas nós ainda não temos informações de qual foi o resultado desse laudo, a gente quer ter certeza de quê substância é essa que ele poderia ter usado, porque ele foi parado porque estava utilizando o veículo de forma imprudente em uma via da região de Duque de Caxias”, informou o Dr. Márcio.

Previsão de prisão
Agora indicada a irresponsabilidade desse motorista, que deixou uma família em luto, pode lhe render um longo tempo de detenção. “Como ele vai ser indiciado por homicídio doloso ele vai responder por uma pena que pode ir de seis a vinte anos de reclusão. Trata-se de um caso extremamente grave, infelizmente uma pessoa de bem morreu covardemente por uma atitude imprudente de um motorista de veículo”, pontuou o delegado.

Radares e faixas elevadas
Um dos instrumentos mais usados para o controle de velocidade dos veículos em vias urbanas é o radar, que detecta excessos e registra o veículo infrator, fornecendo dados para eventuais autuações. O secretário de Segurança Pública do município, Marco Antônio Da Luz, recordou que a cidade já teve esses equipamentos, que foram retirados e que agora serão novamente instalados. “A prefeitura teve radares antes, aí foi retirado em outra gestão, mas existe uma preocupação muito grande do prefeito Vinicius Claussen, onde ele fala no sentido da gente retornar com os radares e ainda mais, uma coisa que a população pede também e a gente é sensível a isso, que são as faixas de pedestres elevadas. Já está na Secretaria de Obras o planejamento de como se fazer tudo. A secretaria ia fazer essas faixas elevadas, mas por conta da falta de material específico para aquilo, vai ser contratada alguma empresa para que faça essa obra. Então vão ser feitas pelo menos três faixas elevadas, porque isso foi uma determinação do prefeito e elas vão ser construídas para quê a gente possa tentar diminuir os acidentes e levar um pouco mais de respeito à população que merece e mais cuidado nesse nosso trânsito”, destacou.

A vítima
Simone Rosa da Costa, de 49 anos, deixou uma filha órfão. Ela havia saído de um culto na igreja em que frequentava no Bairro de São Pedro, integrava ainda a equipe da Escola Municipal Maçom Lino Oroña, contratada pelo Programa Operação Trabalho (POT). Simone também foi diretora de futebol feminino do Clube Comary.

Simone Rosa da Costa, de 49 anos, era servidora funcionária da Escola Municipal Maçom Lino Oroña, contratada pelo Programa Operação Trabalho (POT). Também havia sido diretora de futebol feminino do Clube Comary


Edição 24/02/2024
Diário TV Ao Vivo
Mais Lidas

Viação Teresópolis atualiza tabela divulgada pelo Detro e informa novos valores

MEIs: Contadora explica aumento no valor da contribuição previdenciária

Paróquia Santa Rita de Cássia celebra 25 anos de criação da diocese

Automedicação em casos de dengue pode até agravar complicações da doença

Sine divulga 147 vagas de emprego em Teresópolis

WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE