Cadastre-se gratuitamente e leia
O DIÁRIO DE TERESÓPOLIS
em seu dispositivo preferido

Carne não deve ser lavada antes do cozimento, alerta especialista

Saber se os locais de venda e consumo de carnes são fiscalizados pela Vigilância Sanitária regularmente é uma garantia adicional da procedência destes alimentos de origem animal

Em relação ao hábito de muitas pessoas de lavar carnes e peixes antes do preparo, a pesquisadora Marcella Garcez, nutróloga e Mestre em Ciências da Saúde é taxativa:

Nenhuma carne crua deve ser lavada. Só os pescados, no momento em que você vai filetar a carne, ou lavar o peixe na hora que você pescou. Então vai limpar o peixe, tirar a barrigada, tirar as escamas, você pode usar água. A partir do momento que você filetou a carne, ou ela está pronta para consumo, ou seja nos balcões do supermercado, obviamente, quer dizer carnes inspecionadas, que têm um certificado de qualidade, essas carnes já estão próprias para o consumo, e elas não devem ser lavadas, nem na pia, nem qualquer tipo de recipiente”. 

As carnes, assim como nosso organismo, carregam microrganismos na sua superfície. Mas se elas forem produzidas em ambiente certificado e forem transportadas e armazenadas dentro da temperatura adequada, elas são seguras para consumo, segundo a especialista. Ela esclarece que, quando usamos a água no processo de preparo, na verdade podemos estar propagando bactérias para o interior da própria carne e para outros alimentos, que é quando acontece a chamada contaminação cruzada. 

“Porque elas podem contaminar com esse processo, as carnes. Podem ser contaminadas porque bactérias, que, às vezes, eventualmente, estão na superfície podem ser levadas para dentro da carne. E a outra questão é que essa carne sendo lavada na pia, ou em algum outro recipiente, pode contaminar alimentos que estão próximos”.

Mesmo com bactérias na superfície, o calor do cozimento em temperatura acima de 70 graus, já é suficiente para consumo, como no caso de carnes que tenham tido contato com moscas dentro do balcão do açougue. Marcella reforça que frangos, peixes e todos os tipos de carnes, quando expostos em ambientes e temperatura inadequados de acondicionamento, devem ser imediatamente descartados da lista de compras. Ela orienta ainda em relação ao acondicionamento e consumo de alimentos ingeridos crus como quibes e sushis. 

“Essas carnes têm que estar acondicionadas, frescas, bem acondicionadas, bem preparadas, e elas devem ser consumidas no prazo de no máximo duas horas depois de serem retiradas e uma temperatura abaixo de 5 graus. Você tem que acondicionar as carnes abaixo de 5 graus porque entre 5 graus e 65 graus, você tem crescimento bacteriano, é uma proliferação de bactérias que já estão nas carnes”.

Saber se os locais de venda e consumo de carnes são fiscalizados pela Vigilância Sanitária regularmente é uma garantia adicional da procedência destes alimentos de origem animal.

Tags

Compartilhe:

Edição 13/07/2024
Diário TV Ao Vivo
Mais Lidas

Teresópolis caminha para ser um dos maiores produtores de vinho do Sudeste

Há 75 anos uma teresopolitana pisava no Dedo de Deus pela primeira vez

“Cantinho das Cerejeiras” faz sucesso em Teresópolis

Mesmo quem já pagou o IPVA deste ano terá de quitar as duas taxas do CRLV-e

Rio: Polícia prende 6 suspeitos de fraudar agências bancárias

WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE