Cadastre-se gratuitamente e leia
O DIÁRIO DE TERESÓPOLIS
em seu dispositivo preferido

Crianças e adolescentes aguardam adoção em locais insalubres

- Denúncia foi feita pela OAB em audiência pública realizada pela Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro

Crianças e adolescentes em processo de adoção no Rio de Janeiro são abrigados em contêineres insalubres. A informação foi dada pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/RJ) durante audiência pública realizada pela Frente Parlamentar Pró-Infância, Adolescência e Adoção da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), que aconteceu nesta quarta-feira (11) no auditório do prédio anexo ao Palácio Tiradentes, sede do Poder Legislativo."A gente fez um ofício específico para a 2° Vara da Infância e Juventude e do Idoso acerca de um abrigo que se encontra na área de atuação desse juízo, solicitando uma vistoria conjunta e realizar também uma audiência pública junto à Frente Parlamentar da Câmara de Vereadores (do Rio de Janeiro) para que verifiquemos essa situação, porque, na realidade, os adolescentes e crianças que estão em acolhimento nessas instituições encontram-se em risco. É obrigação do estado verificar essa situação", apontou Silvana Moreira, presidente da Comissão de Direitos da Criança e do Adolescente da OAB/RJ.
Segundo o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), as crianças que estão em situação de acolhimento devem passar por avaliações trimestrais. Mas de acordo com o titular da Coordenadoria da Infância e Juventude da Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro, Rodrigo Azambuja, a falta de digitalização de processos judiciários e a redução do quadro da equipe técnica nas Varas de Infância e Adolescência e dos Conselhos Tutelares tornam o processo de adoção moroso no estado do Rio de Janeiro. Estima-se que o estado fluminense tenha cerca de duas mil crianças em abrigos.
Para Azambuja, a maior dificuldade enfrentada pelas Varas de Infância e Adolescência do estado é o ordenamento do tempo, que é um fator muito importante para as crianças e as famílias no processo de adoção: "Há a necessidade de se digitalizar os processos, por que os atos acontecem mais rápidos, e a deficiência nos serviços técnicos de apoio ao juiz tem dificultado as tomadas de decisão e adiando uma definição sobre o destino dessas crianças”.

Conselho Tutelar
O Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda) prevê que haja um Conselho Tutelar para cada 100 mil habitantes, porém a realidade da cidade do Rio de Janeiro revela que há apenas 19 Conselhos Tutelares para atender a uma população de mais de sete milhões de habitantes. Para o representante do Instituto Rede Amigo, Douglas Lopes, o baixo número de Conselhos Tutelares e o sucateamento das equipes técnicas dessa instituição prejudicam a adoção de crianças e adolescentes. Ele destaca, também, a importância de capacitar os conselheiros e obter mais recursos para trabalhar com as famílias.
Outro dado informado por Lopes diz respeito à evasão dos centros de acolhimento. "O segundo principal motivo de desligamento de crianças e adolescentes dos abrigos é a evasão, que corresponde a 30% dos casos. Não existe pesquisa relacionada às condições dos abrigos, mas a gente que trabalha na área da infância entende que os centros de acolhimento são mais muros que separam do que tetos que protegem. Essas instituições não são um lar; não tem como ficar em um lugar onde passa um esgoto ou tem que dividir quarto com outras 18 pessoas", afirmou.

 

Tags

Compartilhe:

Edição 23/05/2024
Diário TV Ao Vivo
Mais Lidas

Chuvas já mataram 163 pessoas no Rio Grande do Sul

Prefeito de Teresópolis foi ao Tribunal para autorizar festa particular em rua

Vasco da Gama enfrenta o Náutico em Teresópolis

Corujão: novos horários de ônibus durante a madrugada em Teresópolis

Cidade turística, Gramado tem mais de 500 hotéis e restaurantes

WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE