Cadastre-se gratuitamente e leia
O DIÁRIO DE TERESÓPOLIS
em seu dispositivo preferido

Defesa Civil de Teresópolis em estágio de Atenção

Previsão é de chuvas fortes para os próximos dias em todo o estado do Rio de Janeiro

Marcello Medeiros

Como medida preventiva, Teresópolis encontra-se em estágio de Atenção, por conta da possibilidade de ocorrência de chuvas fortes nos próximos dias, em todo o estado do Rio de Janeiro. A Defesa Civil Municipal mantém suas equipes de plantão, fazendo o monitoramento das condições do tempo através de boletins dos órgãos oficiais e mantendo a população informada através do aplicativo AlertasDCT, pelas redes sociais e por meio de mensagens SMS. Além disso, caso necessário, os alto-falantes das sirenes do Sistema de Alerta e Alarme são acionados para avisar a proximidade de chuva forte.
“Nossa orientação é para que todos mantenham a calma e acompanhem nossos avisos. Quem mora em área de risco já sabe que, diante de uma situação de perigo, deve procurar locais seguros e acionar os órgãos competentes, em caso de pedido de socorro. Ocorrendo chuva forte, as pessoas devem se manter em local seguro e esperar o temporal passar para, depois, se locomoverem com segurança”, orienta o Coronel Flavio Castro, Secretário de Defesa Civil de Teresópolis. O contato com o órgão pode ser feito pelo telefone 199.
No Rio de Janeiro, a prefeitura anunciou medidas para tentar reduzir os danos que podem ser causados pela tempestade. Nesta quarta-feira, as aulas da rede municipal foram canceladas no período da tarde e a prefeitura também recomendou o adiamento do jogo Vasco x Resende, pela semifinal da Taça Guanabara, marcado para as 21h30, no Maracanã. “Uma força-tarefa envolvendo todos os órgãos da cidade, como Companhia de Engenharia e Tráfego (CET-Rio), Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb) e Guarda Municipal, está sendo montada. Para isso, não haverá troca de turnos amanhã, de modo que o efetivo chegará a 10 mil pessoas, que vão trabalharão em sistema de plantão ou horário normal”, informou a prefeitura do Rio de Janeiro.

Ano começou com muita chuva
No primeiro dia útil de 2019, chuvas fortes mostraram que o Verão pode render muitas situações de risco por conta da falta de ações públicas nos últimos anos e – logicamente em alguns casos – também por culpa de parte da população. Em 03 de janeiro, a Defesa Civil registrou 15 ocorrências, sem vítimas e sem desabrigados ou desalojados. Entre as ocorrências do primeiro temporal do ano aconteceram queda de muro na Tijuca, deslizamentos de terra no Vale da Revolta, no Golfe, na Ermitage e em Araras, rachadura de piso em Paineiras, queda de vegetação em rede de alta tensão no Salaquinho e na Cascata do Imbuí, e queda de parte de uma árvore na Praça Olímpica Luís de Camões, na Várzea. Além desses casos, muitos pontos de alagamento voltaram a se repetir: Tenente Luiz Meirelles (em vários trechos), Waldir Barbosa Moreira, Carmela Dutra e Rui Barbosa, Dr. Aleixo, Manoel José Lebrão e até vias no bairro do Alto. 
Comunidade onde foi registrada a maior precipitação acumulada no mês de janeiro, o Vale da Revolta é sempre motivo de preocupação. No primeiro temporal do ano, o Presidente da Associação de Moradores, Judas Tadeu, contabilizou o prejuízo e trabalhou para tentar contribuir com quem estivesse precisando de algum tipo de ajuda. Segundo ele, em conversa com a reportagem do jornal O DIÁRIO e DIÁRIO TV, foram registrados diversos escorregamentos de terra e muitos moradores buscaram abrigo no ponto de apoio da Defesa Civil, às margens da BR-116. “Essa foi chuva foi muito preocupante e já alerta para o que pode acontecer nesse Verão”, frisou.

A culpa é de quem?
Logicamente, o poder público tem grande responsabilidade devido aos problemas gerados em dias de chuva forte. Faltam limpeza de bueiros e cursos d´água e uma situação ainda mais difícil de ser resolvida: A remoção de milhares de construções obstruindo a passagem da água em rios como Meudon e Paquequer, entre outros. No primeiro, por exemplo, ele só é visto em alguns pontos ou quando transborda. Ainda em relação a população, muita gente insiste em depositar lixo em vias públicas e nas margens de rios, resíduos de todo o tipo que contribuem para a obstrução da água e ainda a proliferação de doenças.

População em área de risco
Petrópolis – 72 mil pessoas
Teresópolis – 45 mil pessoas
Nova Friburgo – 33 mil pessoas
Cachoeiras de Macacu – 6.262
Areal – 5.036 pessoas
São José do Vale do Rio Preto – 3.881
* Segundo último levantamento do IBGE

 

Tags

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email
Edição 02/07/2022
Diário TV Ao Vivo
Mais Lidas

Notícias falsas nas eleições de 2020 preocupam especialistas

Policial de férias prende acusado de tráfico na entrada da cidade

Magalu vai abrir loja em Teresópolis e inicia processo de contratação

Veículo abandonado em via pública é incendiado

Câmara aprova representação contra o prefeito de Teresópolis