Cadastre-se gratuitamente e leia
O DIÁRIO DE TERESÓPOLIS
em seu dispositivo preferido

DNIT é cobrado pelo abandono da Teresópolis-Itaipava

Rodovia BR-495 em situação cada vez pior e oferecendo mais riscos para os usuários

Marcello Medeiros

“Abandono e risco de graves acidentes na Teresópolis-Itaipava”. Esse foi o título de reportagem publicada pelo Diário de Teresópolis na edição de número 7581, de 09 de abril passado, mostrando que a rodovia administrada pelo Departamento Nacional de Infraestrutura Terrestre, o DNIT, acumula problemas e preocupações para os usuários. Calçamento ruim, com grandes buracos e placas soltas em locais bastante complicados, como a “curva da ferradura”, placas de sinalização escondidas pela vegetação e até partes da pista, em vários trechos, tomadas pelo crescimento do mato. Após a publicação do Diário, outros órgãos de comunicação e blogueiros locais repercutiram o assunto que interessa diretamente a teresopolitanos e petropolitanos, que diariamente precisam se arriscar devido à inércia do DNIT, que mesmo tendo escritório em Teresópolis, no início da Avenida Presidente Roosevelt, finge desconhecer a gravidade da situação. Diversos contatos foram feitos via assessoria de imprensa, a nível estadual e federal, além de encaminhamento também para um administrador local, mas sem sequer uma resposta com previsão de intervenções na importante estrada. Agora o assunto chegou até Brasília de outra maneira. Esta semana, o Deputado Federal Hugo Leal enviou ofício diretamente para o Diretor-Geral do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes, Antônio Leite dos Santos Filho.
“No caso da reportagem, destacam-se os testemunhos e imagens de buracos, fissuras no asfalto, falta de sinalização, desníveis na pista e falta de cuidado com a vegetação. Tal situação prejudica o trânsito de automóveis e também de cargas, prejudicando o turismo e as atividades comerciais da região. Além disso, o trecho não tem acostamento, estando coberto pela vegetação o pequeno espaço que poderia ser utilizado por ciclistas e pedestres. O risco é constante. O desânimo, também. Essa não é uma situação nova, mas um problema antigo que não tem sido enfrentado como deveria pelo Governo Federal”, frisou Hugo, que cita em seguida: “Não é possível que um Estado com a importância industrial, turística e comercial como é o caso do Rio de Janeiro não possa ter a atenção devida do DNIT. Não é de hoje que buscamos soluções junto à Superintendência e não temos retorno. Inúmeras obras paradas, falta de sinalização, falta de manutenção, mas principalmente de atenção da administração regional nos levam a questionar o motivo dessa ineficiência e solicitar a Vossa Senhoria uma intervenção imediata”. O deputado relata ainda que irá buscamos disponibilizar os recursos necessários no orçamento para permitir que a autarquia tenha condições de cumprir com as suas obrigações, “no entanto, o atraso e desídia estão deixando a população indignada, com razão, já que necessita utilizar as rodovias federais todos os dias, com risco da própria vida”.

“O atraso e desídia estão deixando a população indignada, com razão, já que necessita utilizar as rodovias federais todos os dias, com risco da própria vida”, destaca Hugo Leal

30km de abandono
No início de abril percorremos os trechos de serra da Estrada Philúvio Cerqueira Rodrigues, que tem 33,4 quilômetros de extensão entre Quebra-Frascos, em Teresópolis, e Itaipava, em Petrópolis. Ao longo de toda a via, que sofreu a última grande intervenção mais de 10 anos atrás, tendo passado no meio desse caminho por problemas gerados por fortes chuvas, vários pontos com desnível e remendos. Na “curva da ferradura”, como é conhecida a mais forte delas, já no lado petropolitano, recentemente foi fechada uma grande cratera. Ainda assim, é preciso ter cuidado ao passar por ela. Além da necessidade de recuperação da camada asfalta, o que mais preocupa é realmente a falta de capina nas margens da BR-495, principalmente no lado de Petrópolis.
Em breve, a rodovia BR-495 será de responsabilidade de uma concessionária. A empresa que vencer a licitação da BR-040, a Rio-Juiz de Fora, também terá que realizar a manutenção na Teresópolis-Itaipava. Em entrevista ao jornal O Diário de Teresópolis no ano passado, o deputado federal Hugo Leal explicou como será essa anexação: “A Teresópolis-Itaipava vai ser incluída na nova concessão da BR-040, mas já aviso que não haverá cobrança de pedágio. Diferente da BR-116, tem uma discussão judicial ali e o prazo da concessão vai encerrar em março, assim o DNIT que fará a manutenção ate produzir um novo processo licitatório em 2022. A concessão vai se estender até Sete Lagoas e vai incluir a estrada Teresópolis-Itaipava que eu considero a estrada mais bonita do estado. Dessa forma, esse trecho vai poder ser mantido e receber manutenção, que é o mais importante pra gente”, explicou Hugo.

Em vários trechos os motoristas não conseguem sequer saber em qual quilômetro estão passando -Marcello Medeiros

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email
Edição 17/05/2022
Diário TV Ao Vivo
Mais Lidas

Notícias falsas nas eleições de 2020 preocupam especialistas

Policial de férias prende acusado de tráfico na entrada da cidade

Magalu vai abrir loja em Teresópolis e inicia processo de contratação

Câmara aprova representação contra o prefeito de Teresópolis

Cedae vai paralisar o sistema principal nesta terça-feira em Teresópolis