Cadastre-se gratuitamente e leia
O DIÁRIO DE TERESÓPOLIS
em seu dispositivo preferido

Escola municipal não vai ser fechada

Criado em 2014, educandário em prédio alugado está sem aulas desde 2018

 
Os vereadores rejeitaram, por unanimidade, na sessão da câmara desta quinta-feira, 19, Projeto de Lei de autoria do Executivo, que pedia a extinção da Escola Municipal Professora Ana Clara Ferreira Martins, na Várzea. Aberta para 2014 pelo então secretário de Educação, Leonardo Vasconcelos, atual presidente do Legislativo Municipal, a Ana Clara fica em prédio alugado na Rua Dr. Aleixo que atendia antes a Biblioteca Municipal, para atender a demanda das mães com filhos alunos entre 1 e 5 anos e que trabalham no centro da cidade. Os motivos do fechamento, e do pedido de autorização da câmara para a desativação da escola cinco anos depois de implantada, seriam a falta de clientela.
Segundo informou a prefeitura a O DIÁRIO, "o prédio da Escola Municipal Professora Ana Cláudia Ferreira Martins está em obras de adaptação para ser transformado em um espaço pedagógico multidisciplinar, destinado a atendimentos de demandas da Educação Especial". Ou seja, embora esteja pedindo autorização aos vereadores para extinguir a escola, não conseguindo o intento, o prédio já estaria sendo adaptado para outro fim.
Outros dois projetos de lei de origem do Executivo, um que institui organiza e regulamenta o funcionamento das feiras livres de produtos agrícolas e outro criando espaço de atendimento pedagógico multidisciplinar foram aprovados.
Em primeira discussão, a câmara aprovou também projeto de lei do vereador Jaime Medeiros, que cria banco de ração, medicamentos, insumos, utensílios e acessórios para animais domésticos; de Ronny Carreiro, que dá prioridade de vagas para os filhos na rede municipal às mulheres vítimas de violência doméstica; do vereador Luciano Santos, que proíbe os estacionamentos e espaços liminares de afixarem cartazes onde se isentam da responsabilidade por danos materiais aos veículos ou por objetos deixados no interior deles e, ainda, outro projeto que institui a realização de testes de acuidade visual nas escolas e creches da cidade, por fim autorizando à municipalidade a instalação e funcionamento de caixas eletrônicos no interior de farmácias e drogarias. 
Em segunda votação, ambos aprovados, voltaram ao plenário projeto de lei do Executivo que o autoriza a realização de convênio do município com o governo do Estado através da Secretaria Estadual de Serviços Públicos e outro que implementa o regime de tempo integral nas unidades escolares da rede pública municipal de ensino.

 

Tags

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email
Edição 16/08/2022
Diário TV Ao Vivo
Mais Lidas

Notícias falsas nas eleições de 2020 preocupam especialistas

Policial de férias prende acusado de tráfico na entrada da cidade

Policial civil denunciado por lavagem de dinheiro é preso no Rio

Magalu vai abrir loja em Teresópolis e inicia processo de contratação

Petrópolis x Teresópolis, a travessia mais bonita do Brasil