Cadastre-se gratuitamente e leia
O DIÁRIO DE TERESÓPOLIS
em seu dispositivo preferido

Festival Di Teresa, um tributo a Imperatriz do Brasil e a Itália

Evento começa nesta quarta-feira e fomenta o turismo e a cultura no município

Nina Benedito
@ninabenedito

Depois de um jejum de quase dois anos sem eventos oficiais na cidade, finalmente entramos no período dos festivais, dos eventos e dos encontros que movimentam a economia no município, gerando postos de trabalho e trazendo divisas através dos turistas que sobem a serra para curtir esses eventos. O Festival Di Teresa, um tributo a Imperatriz do Brasil, que dá nome a cidade de Teresópolis, tem início nesta terça-feira e segue até o próximo domingo, 12, na Avenida Oliveira Botelho e no Espaço Higino, no bairro do Alto. Em entrevista ao “Programa da Nina”, na Diário TV, Alice Maciel e Marcelo Cabral, da Mox Produções, falaram sobre o projeto que levou dois anos e meio para ser concluído a tempo do Bicentenário da Imperatriz Teresa Cristina. O evento conta com várias intervenções culturais, exposições, gastronomia, música, dança, palhaços, teatro, cinema e muito mais.
“Na verdade a gente já tinha esse projeto há uns dois anos e meio, e com o apoio do nosso padrinho, Dr. Humberto Vilhena que é o Presidente da Comunitá Italiana, que foi o nosso maior incentivador, ele saiu do papel” conta Alice. “Foi um orgulho pra gente unir a comemoração do Bicentenário da Imperatriz, que leva o nome da cidade de Teresópolis, e que é na verdade uma comemoração nacional, assim como para a Itália é muito importante também, já que a Imperatriz foi de suma importância para a cultura, arqueologia, medicina, em uma época que não poderia ser tão divulgada”, enfatiza. A ideia do evento é justamente mostrar essa importância e tudo o que ela trouxe, que infelizmente não é de conhecimento da grande maioria das pessoas.

A Imperatriz Teresa Cristina 1873

Quem foi Teresa Cristina
A Imperatriz Teresa Cristina nasceu princesa das Duas Sicílias em 1822, mais tarde Nápoles. Ainda pequena, começou a ler, escrever e aprender outros idiomas. Estudava música, piano, cantava, colecionava objetos antigos e apreciava obras de arte. Aos 20 anos de idade, casou-se por procuração com D. Pedro II, o mais novo Imperador do Brasil. Trouxe na bagagem tudo que pôde de influência italiana, os costumes, as receitas culinárias, artes. Veio acompanhada de artistas, botânicos, músicos e estudiosos. Mais tarde, ajudou imigrantes italianos para as lavouras de café. Foi uma mulher de muita influência dentro da Côrte, junto ao Imperador. Por onde passou deixou marcas da sua generosidade, tanto que a Imperatriz era chamada de “Mãe dos Brasileiros”.

Curiosidades da Imperatriz
“No Festival a gente vai contar essas curiosidades, através do teatro, da dança, da música. Tem uma curiosidade, por exemplo, Carlos Gomes fez sucesso com a obra ‘O Guarani’, que se dizia que passava aqui em Teresópolis, ele fez isso na Itália, porque na época, eles queriam que Carlos Gomes estudasse, e D. Pedro II queria que ele fosse para a Alemanha , mas Teresa Cristina mandou-o para a Itália estudar e lá ele teria visto um menino vendendo um jornal com as notícias do Brasil então fez essa obra e dizem que foi o grande sucesso que apresentou ele para o mundo. Se não tivesse sido a Imperatriz, talvez não teríamos o Carlos Gomes como é hoje. Ela foi uma mulher muito influente e importante para o Brasil”, conta Marcelo Cabral.

Dotes de Teresa Cristina
“Ela era uma artesã de mão cheia, trouxe essa cultura dos mosaicos e dos bordados para o Brasil. Inclusive a gente vai ter uma peça exposta no evento, que é um brasão todo bordado feito por Teresa Cristina, que foi presenteado para a cidade de Paraty que vai trazer pra gente”, diz Alice, entusiasmada. “Tem muita coisa que ela estava envolvida nas artes, era uma ótima cantora, uma excelente cozinheira, e justamente pelos dotes culturais dela e a inteligência, que encantaram o Imperador ao longo dos anos”.

A entrega oficial do convite para o Festival Di Teresa ao Cônsul da Itália no Brasil Paolo Miraglia ARQUIVO Alice Maciel

O local do evento
Com uma programação extensa, que vai de 8 a 12 de junho, a Mox Produções arrendou o Espaço Higino e por conta disso, grande parte do evento estará acontecendo lá dentro, além da Casa de Cultura, na Casa da Memória, na Prefeitura chamado de Palácio Teresa Cristina, e na Avenida Oliveira Botelho. Segundo os produtores, a ideia é trazer uma experiência de um pedaço da Itália para Teresópolis.

Patrocínio para o Festival Di Teresa
O evento está sendo patrocinado pela Enel, através do Governo do Estado, da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, com o apoio da Prefeitura Municipal de Teresópolis e do Consulado Italiano no Brasil. “Não há dinheiro da prefeitura envolvido no festival, inclusive os comerciantes que estão participando, os restaurantes com estrutura de água, não estão pagando nenhum centavo para participar. O patrocínio da Enel é através do Governo do Estado através da Lei de Incentivo á Cultura. A ideia é de fomentar o comércio local, que sofreu muito com a pandemia”, afirma Alice Maciel. “É um investimento de 1 milhão e meio na cidade, fora o faturamento de todos os restaurantes e participantes, serão mais de 300 empregos diretos, a ideia sempre foi de trazer investimento para a cidade. Investir, mas não só com dinheiro, mas fomentando o comércio, a cultura, os grupos de teatro da cidade, a Camerata que também é daqui, setores que sofreram muito com a pandemia”.

Atrações com artistas locais
Os produtores contam que a parte musical do evento será uma verdadeira aula de história sobre a cultura italiana que abordará todos os estilos musicais do país. Os bailarinos em sua grande maioria são de Teresópolis, artistas, músicos e até as costureiras que confeccionaram os figurinos que serão usados durante todo o evento, são de Teresópolis. “Boa parte da produção do evento estará com figurino de época, os seguranças estarão de Guarda Imperial, o pessoal da gastronomia estarão de camponeses italianos, o pessoal de recepção vestidos de Côrte, todos de Teresópolis, a costureira que confeccionou os figurinos é da cidade , a gente tentou colocar 98% de mão de obra da cidade, os outros 2% só não são porque não tem na cidade. Teresópolis se transformará em uma pequena Itália”, conta a produtora.

Os restaurantes participantes
Ainda segundo os produtores, todos os restaurantes passaram por uma curadoria gastronômica, criando cardápios especialmente para o evento que irá levar os visitantes a todas as regiões da Itália até a gastronomia mediterrânea. Vale ressaltar que nenhum valor foi cobrado desses restaurantes pelo espaço que será utilizado. Haverá ainda um mercado italiano, uma delicatessen também italiana, além de adega com os melhores vinhos da Itália e a presença de um enólogo para os amantes de vinho, ou quem quer aprender um pouco mais sobre a bebida.

Participação especial de Paraty
“Teremos a participação do Memorial da Câmara de Paraty, onde foi realizado um concurso com alguns Chefs renomados da cidade e trouxeram a cachaça paratiana com um drink ‘Segredos de Teresa’ que será vendido no evento, onde eles fizeram toda a pesquisa histórica trabalhando o abacaxi que simboliza o Império, com a cereja que era a fruta predileta de Teresa Cristina. A gente tentou buscar história dentro de todos os segmentos do evento”, enfatiza Alice.

Importância para a cidade
Com uma mega produção, serão mais de 800 postos de trabalho, com a expectativa de público de 50 mil pessoas durante o evento e, até o dia da entrevista, já eram 95% de ocupação na rede hoteleira, fomentando a economia local e gerando divisas para o município, uma vez que todo o consumo em diversos segmentos do comércio local, através das notas fiscais de produtos e serviços são tributadas em Teresópolis.

O abolicionista André Rebouças, Vânia Badinni, a Imperatriz Teresa Cristina, Cléo Jordão, Alice Maciel e Marcelo Cabral nos preparativos para o Festival Di Teresa ARQUIVO Alice Maciel

As atrações do Festival
O evento, além de acontecer em vários locais, tem diversos tipos de atrações, exposições do Museu Imperial, sessões de cinema que exibirão tantos os filmes italianos, quanto filmes brasileiros com ligações italianas, shows gastronômicos, e muito mais. “Um evento para toda a família, com banheiro químico em porcelanato, a ideia é trazer o máximo da Itália, de elegância, e de conforto para o público, de forma gratuita para que a gente possa atrair o turismo, mas também trazer esse conforto para os teresopolitanos”, finaliza a produtora. A entrevista completa você acompanha na programação da Diário TV ou no canal do YouTube “Diário TV Teresópolis”. A programação do evento será disponibilizada nas redes sociais do Diário @odiariodeteresopolis e no Instagran do evento @festivalditeresa

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email
Edição 09/08/2022
Diário TV Ao Vivo
Mais Lidas

Notícias falsas nas eleições de 2020 preocupam especialistas

Policial de férias prende acusado de tráfico na entrada da cidade

Policial civil denunciado por lavagem de dinheiro é preso no Rio

Magalu vai abrir loja em Teresópolis e inicia processo de contratação

Petrópolis x Teresópolis, a travessia mais bonita do Brasil