Cadastre-se gratuitamente e leia
O DIÁRIO DE TERESÓPOLIS
em seu dispositivo preferido

Governo do Estado simula resgate de vítimas em casos de enchentes

Treinamento tem o objetivo de preparar equipes para atuar nas chuvas de verão

O Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro realizou, nesta segunda-feira (7/11), um treinamento com foco no socorro a vítimas de enchentes, inundações e enxurradas, no Parque Radical de Deodoro, na capital fluminense. A atividade faz parte do Curso de Salvamento Terrestre (CST) da corporação, que conta com módulos de atuação em situações de emergências e desastres provocados por chuvas fortes.

O treino inclui técnicas de nado defensivo e ofensivo em correnteza, arremesso de sacos de salvamento em água e “isca viva” (bombeiro preso em corda vai até a vítima para salvá-la).- O Corpo de Bombeiros do Rio realiza treinamentos constantes, durante todo o ano, como preparação da tropa para eventos de pequeno, médio e grande portes.

Os nossos cursos simulam também o atendimento a vítimas de deslizamentos de terra e de desabamentos – explicou o major Fábio Contreiras, porta-voz do CBMERJ.O curso de Salvamento Terrestre é ministrado há sete anos pelo Centro de Instrução Especializada de Bombeiros (CIEB), em parceria do Grupamento de Busca e Salvamento (GSB), e é referência nacional. Neste módulo, recebeu alunos da Força Aérea Brasileira e dos Corpos de Bombeiros do Maranhão e de Roraima.- A abordagem vivenciada no Rio de Janeiro é muito mais didática para esse tipo de ocorrência, até por conta da própria geografia do estado. Essa parceria é muito importante porque são conhecimentos que somam muito com o que a gente já trabalha no Maranhão – disse o tenente Raphaello Carvalho Machado.

Os bombeiros que participam do curso de especialização passam por um rigoroso processo seletivo, como a exigência de inspeção da saúde, teste físico, provas teóricas e práticas.- Nós iniciamos o Curso de Salvamento Terrestre em 2015, baseado nos grandes eventos ocorridos no Rio e em experiências de atuação em outros estados. São 152 horas de aulas teóricas e práticas, organizadas em 15 disciplinas, todas presenciais – disse o capitão Rodrigo Melo, instrutor e um dos idealizadores do curso.A ideia é que os militares dessa turma sejam multiplicadores dos conteúdos aprendidos, aprimorando o serviço em seus quartéis.

Aluno do CST, Pedro de Souza Costa, cabo do 5º GBM de Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense, já é especializado em salvamento marítimo.- O quartel de Campos é híbrido, atua tanto nas praias do litoral quanto em desastres de enchentes. O curso está sendo de grande valia. Pretendo disseminar os novos conhecimentos na minha unidade. 

Compartilhe:

Edição 24/02/2024
Diário TV Ao Vivo
Mais Lidas

Conta de água comercial com 100% de aumento ainda sem solução

MEIs: Contadora explica aumento no valor da contribuição previdenciária

Ação conjunta prende homicida em Itaipava

Viação Teresópolis atualiza tabela divulgada pelo Detro e informa novos valores

Jacarandá, um lugar para visitar em qualquer estação do ano

WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE