ASSISTIR AO VIVO

REDES SOCIAIS

INSCREVA-SE NO

Guias de Turismo podem vir a receber auxílio emergencial

Data: 01/05/2021

O compromisso foi firmado em audiência pública realizada pela comissão, nesta sexta-feira, 30, por meio de videoconferência - Reprodução Alerj

A Secretaria de Estado da Casa Civil sinalizou enviar à Comissão de Turismo da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), até o próximo dia 10 de maio, relatório listando ações para garantir uma renda mínima aos guias de turismo do estado. O compromisso foi firmado em audiência pública realizada pela comissão, nesta sexta-feira, 30, por meio de videoconferência. O subsecretário da Casa Civil, Fábio Serrano, garantiu que será enviado um plano de ação para que a lei possa ser regulamentada e o benefício seja garantido aos guias. "Esse pleito é legítimo e o que posso dizer neste momento é que nós vamos buscar uma solução urgente e imediata. Vamos trabalhar ao longo deste mês para termos uma solução definitiva", afirmou.
Os guias de turismo do estado representam aproximadamente 30% dos profissionais do setor de todo o país e, desde a sanção da Lei 8.858 em junho do ano passado, aguardam pela concessão do auxílio emergencial garantido pela norma. O presidente em exercício da Liga Independente dos Guias de Turismo do Rio de Janeiro (Liguia), Everaldo Costa, falou sobre a necessidade de pensar em formas efetivas de viabilizar a renda mínima para a categoria, que hoje, segundo relatou, mal consegue arcar com os custos de alimentação. “O governo do estado precisa cumprir a decisão do Legislativo. A demora para regulamentar a Lei e dar condições mínimas de sobrevivência para esses profissionais só mostra a falta de vontade política para atender à categoria. Nós estamos abertos ao diálogo, mas precisamos pensar em formas efetivas de resolver esse problema”, enfatizou Costa.
A presidenta da Comissão de Turismo da Alerj, deputada Alana Passos, reforçou o compromisso da Comissão com a pauta e defendeu uma solução imediata para o problema. “Não adianta realmente o Legislativo cumprir o seu papel e o Poder Executivo não dar efetividade à lei. Precisamos chegar a um entendimento sobre esse tema de forma inteligente e o mais rápido possível”, afirmou a parlamentar.
O presidente licenciado da Liguia, Arnaldo Bichucher, destacou o fato de que R$ 166 milhões do Fundo de Combate à Pobreza ficaram sem uso, o que demonstra a falta de iniciativa do governo para garantir o auxílio. "A lei definiu a origem orçamentária para o pagamento dos benefícios, e 10% desse valor já resolveria o problema de muitos profissionais que estão há quase um ano sem renda", comentou.Wagner Medeiros, que é guia de turismo, lamentou a demora da regulamentação e cobrou uma solução do governo. “Nós necessitamos garantir a preservação da profissão no nosso estado. O Rio precisa ter um ganho de competitividade no mercado turístico nacional e internacional. Precisamos mostrar para as pessoas que não há um risco sanitário de visitar o estado. Por isso, inclusive, sugerimos a inclusão desses profissionais na lista prioritária da vacinação”, argumentou.

 

 

Compartilhar:








ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Inea resgata sucuri no Parque Estadual da Pedra Branca, na cidade do Rio

Órgãos públicos pedem adiamento da nova política do WhatsApp

Segunda etapa da vacinação contra influenza começa na próxima semana

Covid-19: mortes seguem caindo lentamente, mas casos voltam a subir

Lei cassa inscrição estadual de empresa que provocar maus-tratos a animais

CLASSIFICADOS


        2742-9977   |   leitor@netdiario.com.br   |  Rua Carmela Dutra, 765 - Agriões Teresópolis/RJ

Desenvolvido por Agência Guppy