Cadastre-se gratuitamente e leia
O DIÁRIO DE TERESÓPOLIS
em seu dispositivo preferido

Lixo: situação é cada vez pior na Fonte Santa

Moradores relatam destruição de coletora, atraso no recolhimento e risco de doenças

Marcello Medeiros

Há cerca de duas semanas, O Diário alertou sobre a situação do atraso na coleta de lixo na Rua Júpiter, na Fonte Santa, que segundo moradores não é suficiente para atender à grande demanda da comunidade. Quase 20 dias depois, nada mudou e o problema ficou ainda maior: uma espécie de “casinha” construída para abrigar os latões onde são depositados os resíduos domésticos foi demolida e o descarte das sacolas diretamente no canto da via tem contribuído para acesso mais fácil de animais, como cães, por exemplo, que têm espalhado o lixo por toda a via diante do insuficiente cronograma de recolhimento da empresa terceirizada pelo município para a realização do serviço.

Um morador próximo ao depósito de restos teria sido o responsável pela destruição da já precária estrutura. O motivo para tal não foi informado. “O que já era ruim, ficou ainda pior. É uma vergonha todo esse lixo espalhado aqui. O caminhão não dá conta, não passa o número de vezes suficiente e os cachorros acabam rasgando as sacolas e deixando tudo pela rua”, relatou ao Diário uma moradora, citando ainda a proliferação de vetores de doenças como ratos e mosquitos.
Outro vizinho também citou, em mensagem encaminhado para o WhasApp da redação (2742-9977), esse preocupante risco de saúde. Porém, ele alertou também que a maioria da vizinhança não respeita sequer o dia de coleta, contribuindo assim para a desordem no local. Nesta quinta-feira (04), cobramos um posicionamento do governo municipal sobre o assunto. Em nota, divulgada pela Assessoria de Comunicação, foi informado “que será feita vistoria no local para avaliar a situação e tomar as providências necessárias”.

Sem um local adequado para deixar os resíduos sólidos, a situação fica cada vez pior na Rua Júpiter, bairro da Fonte Santa. Foto: Leitor Repórter

A culpa é de quem?
Mesmo empiricamente é fácil perceber que mudanças precisam ser realizadas no sistema de coleta de lixo do município. Um bairro com 10 mil moradores não pode receber o mesmo número de visitas do caminhão de coleta que o mesmo onde residem duas mil, só para citar um dos exemplos de uma necessária atualização. Mas, além desse evidente novo pensamento em relação à demanda das comunidades, a população precisa fazer a sua parte. Uma regra básica para se evitar lixo espalhado em via pública não é respeitada por boa parte das pessoas: só colocar as sacolas ou qualquer outro tipo de embalagem em via pública no dia que passa o caminhão da empresa terceirizada pelo governo municipal – a mesma há várias gestões, aliás. Dessa forma, se diminui as chances de um animal destruí-las e espalhar os resíduos pela rua. Outra necessidade de investimento é na coleta seletiva. Além de contribuir com o meio ambiente e promover a geração de renda, ela diminui a quantidade de lixo que precisa ser recolhida e levada para o outrora aterro, hoje lixão do Fischer.


Edição 24/02/2024
Diário TV Ao Vivo
Mais Lidas

Viação Teresópolis atualiza tabela divulgada pelo Detro e informa novos valores

MEIs: Contadora explica aumento no valor da contribuição previdenciária

Paróquia Santa Rita de Cássia celebra 25 anos de criação da diocese

Automedicação em casos de dengue pode até agravar complicações da doença

Sine divulga 147 vagas de emprego em Teresópolis

WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE