Cadastre-se gratuitamente e leia
O DIÁRIO DE TERESÓPOLIS
em seu dispositivo preferido

MPF quer a destinação de R$ 2,9 bilhões para a saúde do Rio

Ação pede que seja cumprido mínimo constitucional com a destinação direta de verbas federais à conta do Fundo Estadual de Saúde

O Ministério Público Federal (MPF) no Rio de Janeiro (RJ) ajuizou ação civil pública, com pedido de liminar, para que a União retenha os valores correspondentes ao Fundo de Participação dos Estados (FPE) com o repasse direto da importância retida ao Fundo Estadual de Saúde, de forma a assegurar os recursos financeiros necessários para o investimento obrigatório em ações e serviços públicos de saúde. Caso com esta primeira medida não se obtenha a totalidade dos recursos ainda devidos para atingir o piso constitucional do exercício de 2017, pede também que a União suspenda as transferências constitucionais previstas nos arts. 157 a 159 da CR/88 e, ainda, todas as transferências voluntárias, até que o Estado do Rio de Janeiro deposite na conta do Fundo Estadual de Saúde o valor total, correspondente ao montante do que deixou de ser aplicado em ações e serviços de saúde para alcançar o mínimo da saúde.
O Estado do Rio de Janeiro deixou de transferir ao Fundo Estadual de Saúde a totalidade dos recursos financeiros destinados a investimentos obrigatórios em saúde pública, nos termos previstos na Constituição Federal, colocando em risco a continuidade dos serviços de saúde no Estado, com evidente prejuízo aos usuários do SUS. Conforme constatado, embora empenhadas e liquidadas, não foram pagas, no ano de 2017, as verbas estaduais de destinação obrigatória para a saúde na ordem de R$ 2.902.514.531,65.
“A dramática situação do financiamento da saúde pública fluminense no exercício de 2017 se soma ao quadro igualmente drástico observado até o exercício de 2016, quando já se havia apurado restos a pagar de 2013, 2014, 2015 e 2016. O Estado não pode simplesmente dizer que não vai pagar o percentual mínimo constitucional. "A omissão na aplicação verbas obrigatórias constitucionais e pactuadas acarreta inegáveis prejuízos à adequada prestação dos serviços de saúde, culminando na interrupção parcial ou plena paralisação de serviços e gerando maiores agravos à saúde e à vida da população usuária do SUS”, argumenta o Ministério Público Federal.
O MPF ainda acrescenta que, diferentemente dos anos anteriores, o próprio TCE-RJ, por unanimidade, quando da análise das contas do Governador, reconheceu o cumprimento de apenas 6,52% do percentual mínimo constitucional de 12%, não obstante a execução do primeiro (empenho) e segundo (liquidação) estágios da despesa orçamentária, por não terem sido transferidas (terceiro estágio: pagamento) pelo Estado do Rio de Janeiro verbas de ações e serviços públicos de saúde destinadas aos 92 municípios do estado, que foram computadas pelo Poder Executivo Estadual para o cálculo do percentual de 12% a ser aplicado em saúde, o que corrobora o pedido feito na ação civil pública.
Estratégia contábil dos “restos a pagar” – A Constituição Federal definiu um percentual mínimo obrigatório para investimento em saúde pública. Nos Estados, 12% das receitas oriundas de impostos estaduais e de transferências constitucionais possuem destinação vinculada às ações e serviços públicos de saúde.
O Estado do Rio de Janeiro, no ano de 2017, embora tenha empenhado no percentual de 12,22% da sua arrecadação, deixou de pagar expressivas despesas de saúde, já liquidadas, descumprindo, assim, o piso constitucional. Esses recursos deixaram de ser aplicados em ações de saúde pelo estado, acabando por reduzir drasticamente o valor efetivo do financiamento a cargo do Executivo estadual em descumprimento ao mínimo constitucional fixado.
“Neste contexto, podemos afirmar que os valores destinados à efetivação do direito à saúde, inserido dentre os direitos sociais nucleares ao mínimo existencial, são prioridades intangíveis dos orçamentos públicos e não comportam dotações omissas, insuficientes ou meramente simbólicas”, sustenta o MPF.
Diante disso, o MPF pede que a União condicione o repasse de recursos provenientes de receitas do Fundo de Participação dos Estados ao emprego das verbas em ações e serviços de saúde, no montante de R$ 2.902.514.531,65, correspondente ao valor que deixou de ser aplicado no exercício de 2017, mediante depósito direto em conta-corrente vinculada ao Fundo Estadual de Saúde e, não sendo suficiente, que suspenda as transferências constitucionais e ainda as voluntárias.
“A União, conforme veiculado nos meios de comunicação, já se valeu, por algumas vezes desde 2016, do mecanismo excepcional previsto no art. 160, § único, da CR/88, de condicionar a entrega dos recursos provenientes das receitas destinados ao Fundo de Participação dos Estados, em relação ao Estado do Rio de Janeiro, contudo, com fundamento no inciso I, do citado § único, ou seja, ´ao pagamento de seus créditos`. Deve, portanto, a União assim proceder também com relação ao inciso II, do mesmo § único, do art. 160, da CR/88, conforme pleiteado na presente ação, para que seja garantida a aplicação, por parte do mesmo Estado, dos recursos mínimos nas ações e serviços de saúde”, acrescenta o Ministério Público Federal. Já o Estado do Rio de Janeiro deve aplicar as verbas depositadas pela União ou mesmo pela Fazenda Estadual no Fundo Estadual de Saúde nas ações e serviços de saúde para que seja efetivamente atendido o mínimo constitucional, conforme planejamento já definido.

Tags

Compartilhe:

Edição 23/05/2024
Diário TV Ao Vivo
Mais Lidas

Chuvas já mataram 163 pessoas no Rio Grande do Sul

Prefeito de Teresópolis foi ao Tribunal para autorizar festa particular em rua

Vasco da Gama enfrenta o Náutico em Teresópolis

Corujão: novos horários de ônibus durante a madrugada em Teresópolis

Cidade turística, Gramado tem mais de 500 hotéis e restaurantes

WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE