Cadastre-se gratuitamente e leia
O DIÁRIO DE TERESÓPOLIS
em seu dispositivo preferido

O que é feito com as drogas apreendidas em operações de combate ao tráfico em Teresópolis

Delegado detalha todo o processo entre a apreensão e a inutilização do material entorpecente

Luiz Bandeira

A 110ª Delegacia de Polícia recebe, diariamente, drogas apreendidas em operações de combate ao tráfico de entorpecentes em Teresópolis. São cargas de maconha, cocaína e crack tiradas de circulação e que ficam apreendidas no período de instauração do inquérito. A lei determina que, após seguir o processo técnico de identificação do entorpecente por peritos do Instituto de Criminalística Carlos Éboli – ICCE, e com autorização do juiz competente, toda droga deve ser inutilizada.
No início da tarde desta quinta-feira, 8, a reportagem do jornal O Diário e Diário TV foi cobrir o trabalho dos agentes da 110ª DP que partiram em um comboio com a missão de incinerar cerca de trezentos quilos de material entorpecente apreendido em operações policiais nos últimos dias. Além de polícias da 110ª DP, participaram agentes do Posto Regional de Polícia Técnica Científica de Teresópolis, PRPTC. No total, quatro viaturas e oito policiais seguiram escoltando a droga, para uma indústria que trabalha com alto-forno, onde foi feita a incineração. A identificação e localização da empresa são mantidas em sigilo, por motivos óbvios.

Drogas apreendidas em operações de combate ao tráfico são levadas para incineração – Foto: Alex Alexsander – O Diário de Teresópolis

Nossa equipe de reportagem conversou com o delegado titular da 110ª DP sobre o caminho que os entorpecentes apreendidos percorrem desde a apreensão até a inutilização, “A partir do momento que a droga é trazida para a delegacia, ela é apreendida, colocada em um saco plástico, é lacrada e encaminhada para o ICCE, Instituto de Criminalística Carlos Éboli, lá nós temos peritos que vão examinar esse material pra constatar realmente se é droga e que tipo de droga é. A partir desse momento é emitido pelos peritos um laudo de entorpecentes que vai permitir que se faça um auto de prisão em flagrante. Então é fundamental para a lavratura de um auto de prisão, para que alguém seja presa em flagrante, que os peritos constatem que o material apreendido realmente é droga, então confirmando que é droga, essa pessoa pode ser presa. Depois que é feito esse procedimento, a droga fica apreendida e nós solicitamos ao juiz responsável, que tem competência para julgar o caso, que autorize a inutilização dessas drogas. Então a partir do momento que há essa autorização nós podemos inutilizar a droga e essa droga é levada para um determinado local, com escolta policial, sem revelar a localização, nós incineramos, inclusive em locais diferentes, a partir daí essa droga deixa de existir e o processo segue”, finaliza.

Drogas apreendidas em operações de combate ao tráfico são levadas para incineração – Foto: Alex Alexsander – O Diário de Teresópolis

Trabalho em conjunto contra o tráfico
As últimas apreensões de drogas vêm impressionando pela quantidade. Para se ter uma ideia, no início de setembro, em operação da Polícia Militar com agentes da Unidade K9 da GCM, foram encontradas na região de mata do Perpétuo 1326 cápsulas de cocaína, além de 1792 pedras de crack. Essa é uma preocupação que provoca ações policiais para combater o comércio de drogas. Em julho passado, o Tenente-Coronel Alex Soliva, Comandante do 30º BPM, disse que “isso de fato é algo que nos preocupa muito, nesse consumo tão intenso de substância entorpecente que traz um mal para o usuário e um mal para a sociedade. Realmente a gente tem feito apreensões aqui diárias, por vezes mais de uma por dia desse tipo de material objeto para o ilícito penal. A gente tem desenvolvido e alterado as nossas formas de atuação, exatamente para alcançar uma eficácia maior no resultado que é a prisão dessas pessoas que insistem nesse tipo de delito e assim reduzir os índices criminais na cidade”, alerta o comandante do 30º BPM.

Delegado Dubugras explica o que é feito com as drogas apreendidas – Rodrigo Medeiros


O delegado Dubugras ressaltou o trabalho de inteligência que produz resultados: -Nós temos um tráfico intenso em Teresópolis, nós estamos muito atentos a isso, a polícia tem trabalhado muito, tem se prendido muito, nós temos apreensão de drogas todos os dias, tem prisão por tráfico de drogas todos os dias em Teresópolis. A gente tem intensificado realmente essas ações, com fiscalização em horários diferentes nas estradas, justamente porque a gente sabe que a droga não é produzida em Teresópolis, ela vem do Rio de Janeiro e a forma mais comum de se chegar aqui é através da BR-116 e ela vem, normalmente em carros de passeio, a partir do momento que a gente intensifica com realização de blitz, trabalhando com inteligência, a gente consegue fazer essas apreensões e impedir que essa droga chegue a Teresópolis, resume o delegado.

K9 eficiente
Muito importante frisar a participação sempre competente da Unidade de Cães da Guarda Civil Municipal de Teresópolis, referência nesse tipo de trabalho, sob o comando de Gil Wellington, que apoia as ações de busca e apreensão de entorpecentes, os cães farejadores são uma ferramenta imprescindível no combate ao tráfico de drogas.

DIREITOS AUTORAIS: É expressamente proibida a reprodução de parte ou da totalidade de seu conteúdo nos termos da Lei n.o 9.610/98.

Edição 22/02/2024
Diário TV Ao Vivo
Mais Lidas

Governo do Estado atua nas cidades afetadas pelas chuvas

LADRÕES DE RESIDÊNCIAS: Troca de tiros e quadrilha presa na Barra do Imbuí

Moradores denunciam possível foco do mosquito em casa abandonada

ÔNIBUS: Rodoviários de Teresópolis podem parar no próximo fim de semana

SindPMT vai debater contratação de 475 trabalhadores “por fora” para a Educação

WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE