Cadastre-se gratuitamente e leia
O DIÁRIO DE TERESÓPOLIS
em seu dispositivo preferido

Oncoginecologista do Hospital São José atenta para perigos do câncer feminino

Doenças como câncer de colo do útero, de ovário e de endométrio estão entre os mais comuns em mulheres

No mês de fevereiro se comemora o Dia Mundial de Combate ao Câncer, data que visa aumentar a conscientização sobre a doença e incentivar sua prevenção. Dentre os tipos mais comuns, o câncer de colo de útero é um dos mais incidentes entre as mulheres: todo ano cerca de 16 mil são diagnosticadas com a condição somente no Brasil, apontam dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA). No entanto, outras doenças oncoginecológicas podem afetar as mulheres, logo é importante conhecer suas características.
“A Ginecologia Oncológica abrange sete tipos de câncer que acometem o sistema genital feminino: vulva, vagina, colo do útero, endométrio, corpo do útero, ovário e trompas uterinas. Entre eles, os mais comuns são, respectivamente, de colo do útero, ovário e endométrio”, explica o Dr. Carlos Romualdo, chefe do serviço de ginecologia oncológica do Hospital São José e professor titular de ginecologia da Faculdade de Medicina de Teresópolis.
O câncer de colo do útero é causado pelo HPV, vírus que pode ter diversas consequências em seu contato com o corpo humano. “Hoje estima-se que 90% das pessoas sexualmente ativas entrem em contato com o HPV ao longo da vida. Mas a maioria, cerca de 92%, faz autoimunidade e a doença não evolui. Outros 3% evoluem para câncer do colo do útero e 5% desenvolvem doença benigna na forma de verrugas”, complementa o ginecologista do Hospital São José.
Apesar de ser uma das formas de câncer mais comuns, a vacina contra o HPV já é amplamente disponível e tem grandes chances de diminuir a evolução para o câncer de colo uterino. As doses devem ser administradas entre os 9 e 13 anos, antes do início da vida sexual. Desde março de 2023, já existe no Brasil a vacina nonavalente, que protege contra nove tipos do vírus, logo os resultados pela vacinação estão cada vez mais positivos. Contudo, nos postos de saúde só as tetravalentes são disponibilizadas.
Já no câncer de ovário, o histórico familiar é um fator de risco importante. O desenvolvimento da doença está ligado à função normal do órgão, visto que o volume de ovulação da mulher influencia a chance de manifestar a condição. “São células que se originam nas trompas e se depositam na superfície do ovário. A ovulação incessante promove depressões na superfície do ovário que facilitam e albergam essas células que, a longo prazo, evoluem para o câncer”, afirma o Dr. Carlos Romualdo.
Tanto o câncer de colo de útero como as outras doenças ginecologia oncológica, em geral, não apresentam sintomas nas fases iniciais. Portanto, é fundamental que as mulheres estejam sempre com os exames em dia. “É necessário que a mulher se submeta a exames periódicos de rotina para ou prevenção, ou diagnóstico precoce dos tumores ginecológicos. Essa é a sua principal defesa”, conclui o Dr. Romualdo.

Edição 12/04/2024
Diário TV Ao Vivo
Mais Lidas

Rua Dr. Aleixo permanece interditada e buraco gera transtornos para a população

prefeitura

Em apenas dois meses, prefeitura recebeu mais de R$ 30 milhões do governo estadual

Diploma não poderá ter identificação de modalidade de ensino à distância

Dom Joel ministra o sacramento da Crisma na Paróquia São Pedro

Teresópolis participa da 12ª Conferência Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente

WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE