Cadastre-se gratuitamente e leia
O DIÁRIO DE TERESÓPOLIS
em seu dispositivo preferido

PM poderá cobrar taxa para atuar em eventos

As comissões de Economia, Segurança Pública e Tributação da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) vão apresentar um substitutivo ao projeto de lei 2.014/16, de autoria do deputado Rosenverg Reis (PMDB), que prevê cobrança de taxa preventiva de segurança em eventos culturais, artísticos e esportivos. A proposta foi apresentada nesta terça-feira (06), após os integrantes das comissões ouvirem as explanações das Polícias Militar e Civil, da Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz), da Secretaria de Estado de Segurança e da Procuradoria.

As comissões de Economia, Segurança Pública e Tributação da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) vão apresentar um substitutivo ao projeto de lei 2.014/16, de autoria do deputado Rosenverg Reis (PMDB), que prevê cobrança de taxa preventiva de segurança em eventos culturais, artísticos e esportivos. A proposta foi apresentada nesta terça-feira (06), após os integrantes das comissões ouvirem as explanações das Polícias Militar e Civil, da Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz), da Secretaria de Estado de Segurança e da Procuradoria. Segundo o presidente da Comissão de Tributação da Casa, deputado Luiz Paulo (PSDB), o projeto, que já foi analisado em 1ª discussão e recebeu 42 emendas, terá que ser modificado. Entre as alterações, o parlamentar sugere que o organizador tenha o direto de contratar segurança pública ou privada para o evento.
"Essa foi uma das minhas sugestões. Até o final desse mês, os órgãos que participaram da reunião vão mandar contribuições escritas para o aperfeiçoamento do projeto e caberá a nós prepararmos um substitutivo compreendendo todas as emendas e sugestões", afirmou Luiz Paulo. Também presentes na audiência pública, a presidente da Comissão de Segurança, deputada Martha Rocha (PDT) e o presidente da comissão de Economia, deputado Waldeck Carneiro (PT), enfatizaram a necessidade do substitutivo ao texto original.

Valores cobrados
Caso aprovada, a chamada Taxa de Segurança Preventiva irá variar de acordo com as horas trabalhadas pelos agentes. O valor deverá ser pago à Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz) e repassado para a PM. Por oito horas de evento, por exemplo, serão cobradas cerca de 49 UFIR-RJ, aproximadamente R$ 150. O comandante do Grupamento Especial de Policiamento em Estádios (Gepe), major Silvio Luiz Pekly, utilizou como exemplo a final da Copa Sul Americana, no Maracanã, entre o Flamengo e o Independiente, clube argentino. "Foram utilizados 350 policiais dentro do estádio. Caso a lei já estivesse sendo aplicada, o Flamengo teria que pagar R$ 52.500 pelo serviço da Polícia Militar. Vale lembrar que a renda daquela partida foi de R$ 7 milhões", argumentou o major.
Silvio informou que no ano passado o Gepe atuou em 155 jogos e conta, atualmente, com um efetivo de 110 policiais. "Trabalhamos com um déficit de agentes e acabamos contando muito com o apoio dos batalhões, que precisam deslocar polícias e deixar a região com menos policiamento durante o evento. Com a lei isso não ocorreria. Contaríamos com um efetivo extra de policiais que estivessem de folga", concluiu.

 

 

 

Tags

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email
Edição 18/08/2022
Diário TV Ao Vivo
Mais Lidas

Notícias falsas nas eleições de 2020 preocupam especialistas

Policial de férias prende acusado de tráfico na entrada da cidade

Policial civil denunciado por lavagem de dinheiro é preso no Rio

Magalu vai abrir loja em Teresópolis e inicia processo de contratação

Petrópolis x Teresópolis, a travessia mais bonita do Brasil