Cadastre-se gratuitamente e leia
O DIÁRIO DE TERESÓPOLIS
em seu dispositivo preferido

Praça Maria Corina em Teresópolis: espaço de lazer está abandonado e oferecendo riscos

Frequentadores reclamam de brinquedos quebrados, lixo e utilização inadequada do local

Luiz Bandeira

Moradores da Barra do Imbuí e bairros próximos estão manifestando descontentamento com o estado de abandono que se encontra o principal espaço de lazer da região. Essa insatisfação chegou através de imagens e mensagens enviadas à redação do Jornal O Diário e Diário TV. A Praça Maria Corina Paim Turl, inaugurada em 1986, no governo do então prefeito Celso Dalmaso, foi concebida inicialmente para atender uma demanda dos moradores que não tinham um espaço adequado para a família com parquinho para as crianças e chafariz. Posteriormente outros governos fizeram reformas, o chafariz deixou de jorrar água, foi acrescentado um pequeno anfiteatro e mesas foram fixadas no espaço para a prática de tênis de mesa popularmente conhecido como “ping-pong”.

A Secretaria Municipal de Serviços Públicos informa que é feito o recolhimento do lixo na Praça Maria Corina diariamente – Leitor Repórter


Os últimos equipamentos instalados na Praça Maria Corina foram para academia da terceira idade em uma parceria com o governo do estado, em setembro de 2014, no governo de Arlei Rosa. De lá pra cá a praça recebeu apenas pequenas reformas nos brinquedos e pintura no mobiliário urbano, porém, há muito tempo se faz necessário um trabalho mais efetivo para a manutenção, segurança e promoção de atividades em prol da população local, mas atualmente o quê mais se vê na Praça Maria Corina, assim como em muitos espaços públicos da cidade, são aparelhos depredados, apresentando certo risco para que os utilizam e pessoas consumindo bebidas alcoólicas onde muitas crianças e adolescentes se concentram geralmente antes do horário de entrada nas escolas próximas ou logo depois da saída deles, próximo de 12h e também às 17h. Importante frisar que durante a gravação da nossa matéria, um servidor uniformizado da prefeitura, fazia a limpeza da praça, mas também podemos observar ao menos dois homens embriagados circulando no espaço pronunciando palavrões em tom alto.

Joanna Medeiros, que ainda leva seu filho na Praça Maria Corina, teme pela segurança da sua família e reclama da inércia do poder público

Muitos moradores e trabalhadores utilizam o espaço nos momentos de descanso, porém muitos outros deixaram de frequentar a Praça Maria Corina por considerarem o espaço inadequado e mal frequentado, caso, por exemplo, da jornalista Joanna Medeiros, mãe de uma criança de quatro anos prejudicada pela falta que lhe faz brinquedos danificados, que se preocupa sobretudo com a segurança da sua família. “Por conta do trabalho, quando eu mais venho é nos final de semana. Ele (filho) tem quatro anos, é pequenininho, eu trago pra dar uma gastada na energia e normalmente a forma que a gente encontra a praça, quando não eu, meu marido, é muita sujeira, porque aqui tem muito morador de rua, que ficam nas proximidades bebendo e eles ficam por aqui mesmo e como você pôde ver, os brinquedos estão todos quebrados, não só os brinquedos que seriam destinados pras crianças, mas também esses aparelhos que foram colocados pra terceira idade que também estão em péssima conservação, mas acaba que as crianças ficam brincando mesmo nesses aparelhos, porque o que se tem aqui não dá pra eles brincarem, não tem um balanço, não tem um escorregador, fora o lixo, muito lixo, pertences dos moradores de rua, que ficam no cantinho da praça. A gente fica com um pouco de medo, porque a gente não sabe se essas pessoas vão achar ruim, achar que a gente está querendo mexer. Além da questão da limpeza que falta aqui essa questão da segurança a gente não tem”, queixa-se a moradora.

Aparelhos de ginástica, instalados em 2014, estão quebrados e servem pouco para o exercício de idosos

Muitos estudantes
Joanna alerta também da importância do local para um grande público jovem. “Aqui nós temos três grandes escolas, que são o Campos Sales, o Ciep da Barra e o Beatriz Silva que são escolas públicas, fora as particulares que também ficam no entorno e eu acredito que sejam umas três, então é muita quantidade de criança e adolescente. Nos horários de pico, de meio dia e seis da tarde é muita criança. É uma falta de segurança pra eles, porque aqui fica escuro, tem pouca iluminação, fora essas pessoas que ficam aqui rondando o tempo todo e a gente não sabe se são usuários de drogas, usuários de bebida alcoólica, enfim é um ‘combo’ de problemas que estão acontecendo aqui e o poder público está simplesmente inerte”, denuncia.

Posicionamento da PMT
Em nota encaminhada para a redação do Diário, o governo municipal destacou que “a Secretaria Municipal de Serviços Públicos informa que é feito o recolhimento do lixo na Praça Maria Corina diariamente. Quanto à manutenção dos brinquedos, a Secretaria Municipal de Obras informa que uma equipe irá ao local, nesta sexta-feira, 28, para verificar a condição dos brinquedos e realizar os trabalhos de manutenção necessários”. Ainda de acordo com o documento, está em andamento tratativa para assinatura de termo de adoção da referida praça pelo projeto “Adote Terê”, iniciativa da gestão do Prefeito Vinicius Claussen que inclui a revitalização e manutenção de espaços públicos pela iniciativa privada.

Edição 23/02/2024
Diário TV Ao Vivo
Mais Lidas

Chuvas no estado do Rio provocam ao menos sete mortes

Justiça Federal determina retorno de Adélio Bispo a Minas Gerais

Ônibus: novas tarifas intermunicipais entram em vigor neste sábado

Sexta e sábado com feira de adoção de cães na Várzea

Asfalto ficou na promessa e Vale dos Cedrinhos segue quase intransitável

WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE