Cadastre-se gratuitamente e leia
O DIÁRIO DE TERESÓPOLIS
em seu dispositivo preferido

Prefeitura de Teresópolis ainda não pagou transporte escolar e estudantes podem ficar a pé

Empresa responsável pelo serviço confirma que dívida de R$ 6 milhões não foi regularizada

Marcello Medeiros

“Empresa que opera o transporte escolar em Teresópolis não renovará contrato com a prefeitura em 2024. Motivo é a dívida do governo municipal com a empresa que chega a R$ 6 milhões e impede a continuidade do serviço. Mais de quatro mil crianças serão impactadas”. Essas informações foram divulgadas pelo Diário em 15 de dezembro, com objetivo de informar a situação de importante serviço e o risco que esse grande número de estudantes está correndo logo no início de um novo ano letivo. Na ocasião, o governo Vinicius Claussen informou o seguinte: “A Prefeitura informa que o município irá equacionar os seus débitos com o valor recebido da outorga da concessão dos serviços de saneamento básico de Teresópolis”. Porém, quase que exatamente um mês depois, inclusive com a empresa Água da Imperatriz já tendo substituído a Cedae, nada mudou. Nesta quarta-feira (09), a 19 de Janeiro, a empresa que presta serviço de transporte estudantil no município, confirmou ao Diário que não viu uma moeda sequer e que, dessa forma, não renovará o contratato e, consequentemente, não retomará o serviço assim que os jovens começaram a voltar para as salas de aula.
Também em dezembro, O Diário destacou que a secretaria municipal de Educação havia sido notificada em no dia 11 daquele mês sobre o que ocorreria com não quitação dos débitos e que os valores devidos serão cobrados judicialmente. “Lamentamos profundamente o momento atual e a falta de sensibilidade do governo municipal pela inadimplência com o serviço de transporte escolar, situação que irá prejudicar cerca de quatro mil alunos e suas famílias diariamente, e poderá acarretar no desligamento de 105 colaboradores que fazem parte do quadro funcional da empresa, impactando também diretamente seus familiares”, informou também a 19 de Janeiro.
Ainda segundo a empresa, medida torna-se necessária e urgente já que, diante da falta dos repasses por parte do município, fica inviável a continuidade do serviço pela falta de recursos para o pagamento dos salários dos colaboradores, compra de óleo diesel, manutenção e renovação de frota, itens essenciais para atender com segurança e qualidade os estudantes da rede municipal da cidade. “Cabe destacar que, para a continuidade do transporte ao longo desse ano, e não prejudicar os estudantes com uma paralisação e garantir a manutenção dos empregos, a empresa recorreu a empréstimos gerando um endividamento financeiro”, pontua.

Recebe e não paga
A empresa diz que os repasses mensais previstos no contrato nº 083.11.2021 pelo serviço não ocorreram em diversos meses dos anos de 2022 e 2023, mesmo sendo parte desses recursos de origem federal e cheguem ao município através do Programa Nacional de Apoio ao Transporte Escolar (Pnate). Os ônibus escolares na cidade de Teresópolis operam rotas nos bairros da área rural do município e sua descontinuidade afetará cerca de quatro mil alunos da educação básica por dia, com idade entre 4 e 12 anos, e suas famílias. Todos os veículos possuem cinto de segurança e profissionais treinados para o transporte de crianças, sendo a solução mais adequada para o deslocamento dos estudantes.
O serviço opera 120 mil km por mês e conta com 39 ônibus, nove vans, e possui em seu quadro funcional motoristas e monitoras, além de mecânicos e eletricistas para a manutenção, sendo um serviço essencial para educação das crianças teresopolitanas.

“Muitos dos funcionários que estão prestes a perderem o emprego já tem uma idade avançada, outros estavam perto de se aposentar, sabemos que seria muito difícil para eles conseguirem outro emprego”, destaca o presidente do Sindicato dos Rodoviários de Teresópolis, José Motta. Foto: Arquivo Diário

Aumento do desemprego
Caso o encerramento dos serviços da empresa realmente ocorra, muitos funcionários sofrerão com o desemprego repentino e injusto. “Nós vamos ficar em uma situação muito difícil, pois, Teresópolis já não tem muitas opções de emprego, e 105 famílias perderem o emprego na cidade em uma época dessa é muito triste. Estamos pedindo socorro, todos precisam saber o que os rodoviários estão passando nesta situação, estamos em busca de ajuda, que seja a prefeitura, que seja a população, ou até mesmo vocês da Diário, que estão nos ajudando a levar essa mensagem para o povo. Muitos dos funcionários que estão prestes a perderem o emprego já tem uma idade avançada, outros estavam perto de se aposentar, sabemos que seria muito difícil para eles conseguirem outro emprego, todos estamos apreensivos e preocupados”, explicou o presidente do Sindicato dos Rodoviários de Teresópolis, José Motta, em entrevista ao Diário realizada em dezembro.

O que diz o governo Vinicius
Assim como buscamos a 19 de Janeiro para atualizar a situação da importante prestação do serviço de transporte estudantil, fizemos novo contato com o governo Vinicius Claussen para saber o motivo do não pagamento da já conhecida dívida com a empresa de ônibus. Porém, até o fechamento desta edição a Assessoria de Comunicação da Prefeitura não havia emitido posicionamento do gestor e seu “time”.

Edição 13/07/2024
Diário TV Ao Vivo
Mais Lidas

Teresópolis caminha para ser um dos maiores produtores de vinho do Sudeste

Há 75 anos uma teresopolitana pisava no Dedo de Deus pela primeira vez

“Cantinho das Cerejeiras” faz sucesso em Teresópolis

Mesmo quem já pagou o IPVA deste ano terá de quitar as duas taxas do CRLV-e

Rio: Polícia prende 6 suspeitos de fraudar agências bancárias

WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE