Cadastre-se gratuitamente e leia
O DIÁRIO DE TERESÓPOLIS
em seu dispositivo preferido

Prefeitura não cumpre mais um prazo de reabertura do hemonúcleo

Com teresopolitanos tendo que ir para Petrópolis, “gestão” havia informado que em abril reabriria o espaço

Isla Gomes

Iniciada em 18 de janeiro de 2021, com previsão de ser entregue em seis meses, a reforma do Hemonúcleo foi paga com emenda parlamentar no valor de R$ 223.138,99, liberados e fiscalizados pela Caixa Econômica Federal. Porém, a obra que já demora mais de 40 meses, em vez dos seis meses prometidos, ainda não tem previsão de quando será inaugurada, tendo como a última promessa de finalização o mês de abril de 2024 – o que não aconteceu. A reforma consistiria na construção de dois banheiros, masculino e feminino e um terceiro banheiro adaptado para pessoa com deficiência; substituição de bancadas e cubas e instalação de armários; substituição das instalações elétricas, colocação de alarme para sanitário PCD; nova forração e colocação de revestimento cerâmico nas paredes das salas da área técnica; correção de pontos de infiltração; colocação de piso tátil nas áreas externa e de espera e pintura geral.

“Eu acho essa situação horrível, sangue é algo que qualquer um de nós pode precisar a qualquer momento. O poder público precisa dar um jeito nessa situação”, desabafa o professor universitário Tarcísio Dantas. Foto: Juliana Ludwig/O Diário


A doação de sangue é um ato altruísta e de solidariedade, que ajuda a salvar muitas vidas. É um gesto de amor ao próximo que pode gerar muitos sorrisos. É importante destacar que não há um substituto para o sangue e sua disponibilidade é essencial em diversas situações. A falta de um local próprio para esta ação em um município com quase 200 mil pessoas é um prejuízo enorme para a sociedade teresopolitana como um todo. “Eu acho essa situação horrível, sangue é algo que qualquer um de nós pode precisar a qualquer momento. O poder público precisa dar um jeito nessa situação”, desabafa o professor universitário Tarcísio Dantas.

“Nós precisamos ter todo o suporte necessário na nossa própria cidade, é um absurdo termos que depender de ir para outra cidade para obter esse serviço”, relatou a contadora Roberta Dantas. Foto: Juliana Ludwig/O Diário

Mais depoimentos
Os cidadãos teresopolitanos seguem se questionando sobre o tempo de demora a reabertura do Hemonúcleo Municipal e acham um absurdo a população ter que se deslocar até Petrópolis para realizar essa ação. “É mais do que necessário um centro de doação de sangue para Teresópolis, pois a vida não pode esperar. Nós precisamos ter todo o suporte necessário na nossa própria cidade, é um absurdo termos que depender de ir para outra cidade para obter esse serviço, é inadmissível que um município não tenha esse tipo de recurso. Já liguei para a prefeitura diversas vezes para fazer essa reclamação”, relata a contadora Roberta Dantas.
A aposentada Maria Souza de França também relatou ao Diário sua indignação. “Eu acho um verdadeiro absurdo não termos um hemonúcleo e as pessoas terem que se deslocar lá para Petrópolis. O prefeito tem que providenciar um centro de doação digno para a nossa cidade”, conclui.

“Eu acho um verdadeiro absurdo não termos um hemonúcleo e as pessoas terem que se deslocar lá para Petrópolis. O prefeito tem que providenciar um centro de doação digno para a nossa cidade”, salienta a aposentada Maria Souza de França. Foto: Juliana Ludwig/O Diário

Onde doar
Inaugurado em 2001 e com uma média de 200 doações mensais, o Hemonúcleo de Teresópolis atendia o município e as cidades vizinhas de Guapimirim, e São José do Vale do Rio Preto, auxiliando eventualmente hospitais de Nova Friburgo, Magé e até do Rio de Janeiro. Sem seu funcionamento a coleta de sangue passou a ser na Unidade de Hematologia do Hospital São José (HSJ), no Alto. Mas, no início de março de 2024, o atendimento no local também foi encerrado. Agora, O GSH Banco de Sangue Santa Teresa está disponibilizando transporte gratuito para os doadores de Teresópolis que se dispuserem a ir até o posto de coleta em Petrópolis. Todas as sextas-feiras, às 7h, sai uma van do Hospital São José, na Rua Judith Maurício de Paula, 40, com destino ao GSH Banco de Sangue Santa Teresa, em Petrópolis. Os doadores interessados em reservar o transporte podem entrar em contato pelo WhatsApp (21) 99666-9549. “O GSH está disponibilizando uma van, todas as sextas-feiras, as 7h, nós saímos daqui e vamos para Petrópolis. Precisamos de mais pessoas que se disponham a realizar esse ato de amor e empatia. Qualquer dúvida pode ser esclarecida através do nosso Whatsapp”, conta Itiná Pereira, captadora do GSH.

“Precisamos de mais pessoas que se disponham a realizar esse ato de amor e empatia. Qualquer dúvida pode ser esclarecida através do nosso Whatsapp (21 99666-9549)”, conta Itiná Pereira, captadora do GSH. Foto: Isla Gomes/O Diário

A importância de doar sangue

O sangue é muito importante para os atendimentos de urgência, a realização de cirurgias de grande porte, o tratamento em pessoas com doença falciforme e talassemias, por exemplo, doenças oncológicas variadas que frequentemente necessitam de transfusão. Cada doação pode salvar a vida de até quatro pessoas.

Pré-requisito para doar
– Apresentar um documento oficial com foto (RG, CNH etc.) em bom estado de conservação;
– Ter idade entre 16 e 69 anos desde que a primeira doação seja realizada até os 60 anos (menores de idade precisam de autorização e presença do responsável legal no momento da doação);
– Não é permitido realizar doação acompanhado de menores de 12 anos (exceto se o menor estiver acompanhado de dois adultos, sendo necessário o revezamento dos mesmos enquanto acontece a doação);
– Estar em boas condições de saúde, se sentindo bem, sem qualquer sintoma;
– Pesar a partir de 50 kg e ter dormido ao menos 6h na última noite;
– Não ter feito uso de bebida alcoólica nas últimas 12 horas;
– Não é necessário estar em jejum, evitar alimentos gordurosos;
– Se fez tatuagem e/ou piercing, aguardar 12 meses. Exceto para região genital e boca (12 meses após a retirada);
– Em caso de diabetes, deverá estar controlada e não fazer uso de insulina;
– Se passou por endoscopia ou procedimento endoscópico, aguardar 6 meses;
– Não ter tido Doença de Chagas e Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST);
– Candidatos que apresentaram sintomas de gripe e/ou resfriado devem aguardar 7 dias após cessarem os sintomas e o uso das medicações;
– Aguardar 48h para doar caso tenha tomado a vacina da gripe, desde que não esteja com nenhum sintoma.


Edição 21/05/2024
Diário TV Ao Vivo
Mais Lidas

Seleção Sub-20 em Teresópolis no próximo dia 03

Selo “Amigo Pet” para bares e restaurantes é criado

Zerada a tarifa de importação para garantir abastecimento de arroz

PM apreende 11 motos em situação irregular no trânsito

Mesmo quem já pagou o IPVA deste ano terá de quitar as duas taxas do CRLV-e

WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE