Cadastre-se gratuitamente e leia
O DIÁRIO DE TERESÓPOLIS
em seu dispositivo preferido

R$ 250 milhões em 2016: Teresópolis tem o maior PIB Agropecuário do estado

Município responde por 90% de todas as folhosas produzidas no Rio de Janeiro e somente com a alface faturou R$ 120 milhões no ano passado

Anderson Duarte

Foram impressionantes R$ 250 milhões em volume de movimentação de recursos ao longo do ano de 2016 segundo números da EMATER, apenas no segmento Agropecuário. Esse índice coloca o município de Teresópolis no primeiro lugar do PIB fluminense neste segmento e ratifica toda a importância de nossas regiões produtoras para a cadeia de consumo regional. Com novas tecnologias, aportes financeiros e financiamentos subvencionados, as propriedades e organizações que tocam a agricultura teresopolitana elevaram o patamar e potencialidade da cidade a índices invejáveis e que despertam a necessidade de aprimoramento e organização do segmento nos distritos produtores. Um número que impressiona é o relacionado a alface. A produção desta folhosa é tão expressiva que faz com que muito dificilmente alguém que esteja consumindo o produto em nosso estado não seja de procedência de nossas terras. Foram mais de R$ 120 milhões com a alface no período.
Os impressionantes números da agricultura teresopolitana foram lembrados nesta semana durante a apresentação do Consultor de Defesa de Interesses do Sistema Firjan, Riley Rodrigues, que fez sua explanação sobre a temática tendo como parâmetros o Mapa do Desenvolvimento do Estado. Durante a cerimônia de posse do empresário Ladmir Carvalho na Comissão Municipal da Firjan em Teresópolis, o consultor expos um pouco da dimensão econômica que figura nossa produção, mas também ressaltou que através de inserções e modificações de práticas de manuseio e benfeitorias é possível ampliar ainda mais essa gama de recursos que tocam o município. “Imaginem se fosse criado um selo de procedência, com a garantia de que era das terras teresopolitanas que viam tais produtos? Uma linha de produtos Premium com a chancela da cidade de Teresópolis e seus produtores. Algo assim pode aumentar ainda mais o valor agregado e a saída de tal produção”, lembrou durante sua fala o consultor da Firjan.
Para Ladmir Carvalho, agora representante da entidade no município, não há dúvidas da importância desse segmento na cidade, e usar a expertise e o ferramental oferecido pela Firjan para alavancar ainda mais o setor, pode efetivamente mudar os rumos do agronegócio teresopolitano. “Talvez o mais difícil de tudo nesse segmento nós já tenhamos conquistado até aqui, que é um produto de qualidade, relevante e muito requisitado. O atual cenário econômico do Rio de Janeiro e do país apresenta novos desafios para empresas, governantes, instituições públicas e cidadãos. É preciso ter uma direção muito clara a seguir para darmos início a um novo ciclo de crescimento no estado, e Teresópolis pode encontrar uma vocação importante para ela mesma e para todo o estado do Rio, aqui, em nossa região rural”, enalteceu Ladmir.
Outro produto que merece destaque é a produção da tangerina poncã, cujo município também lidera o ranking estadual, assim como na alface, e com quase dez mil toneladas anuais produzidas segundo a EMATER. Com uma área plantada de 456 hectares e produtividade média de 20 toneladas por hectare, a atividade é bem desenvolvida por 120 agricultores concentrados, principalmente, nas localidades de Cuiabá e Brejal. Nosso terceiro distrito se destaca na produção de Couve, com 523 produtores locais e faturamento anual de R$ 40 milhões no período; de Coentro com 319 produtores e faturamento de R$ 15 milhões; Cebolinha que possui 414 produtores e faturamento de R$ 12 milhões; Salsa com 300 produtores e faturamento anual em 2016 de R$ 9 milhões; Brócolis que possui 395 produtores e faturamento de R$ 8 milhões; Rúcula, com 300 produtores e faturamento de R$ 7 milhões e o Espinafre com 308 produtores e um faturamento anual de R$ 6 milhões.
Um dos objetivos da Firjan nos últimos anos, sobretudo com a elaboração do Mapa do Desenvolvimento do estado, é transformar o Rio de Janeiro no melhor ambiente de negócios do país. Para isso diversas propostas foram organizadas em cinco temas que sustentaram o desenvolvimento de planejamentos para o Rio: Sistema Tributário, Mercado de Trabalho, Infraestrutura, Gestão e Políticas Públicas e Gestão Empresarial. Os quatro primeiros temas refletem as principais necessidades dos empresários e da sociedade em relação ao ambiente de negócios no estado do Rio e no Brasil. O quinto tema representa o compromisso da indústria do Rio para a melhoria do ambiente de negócios, promovendo investimentos em inovação e produtividade, aprimorando seus processos de gestão e governança e atuando de forma sustentável, tanto nos aspectos econômicos quanto sociais e ambientais.
Na base do Mapa do Desenvolvimento estão a articulação institucional, a mobilização empresarial, serviços SESI, SENAI e IEL, além da elaboração de estudos e posicionamentos, que reforçam a forma pela qual o Sistema FIRJAN atua. O esforço de mobilização, não apenas na formulação das propostas, confere legitimidade e força às suas ações. Principalmente porque grande parte das propostas dependerá da execução do setor público, como as medidas a serem adotadas pelos poderes Executivo e Legislativo federais, estaduais e municipais. Engajamento e mobilização empresarial, aliados ao rigoroso embasamento técnico que sempre marcou a atuação do Sistema FIRJAN, serão as ferramentas fundamentais para a articulação institucional que atrairá o avanço proposto e esperado pela indústria do Rio de Janeiro.

 

Tags

Compartilhe:

Edição 20/06/2024
Diário TV Ao Vivo
Mais Lidas

Teresópolis começa a vacinar contra a dengue

ONG vai realizar castração de animais em Teresópolis

Bandido armado assalta motorista de aplicativo em Teresópolis

Delino Tomé corre mais de 900 quilômetros em 14 dias seguidos

Mesmo quem já pagou o IPVA deste ano terá de quitar as duas taxas do CRLV-e

WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE