Cadastre-se gratuitamente e leia
O DIÁRIO DE TERESÓPOLIS
em seu dispositivo preferido

TCE rejeita contas da prefeitura de Guapimirim

As contas de 2016 da prefeitura de Guapimirim foram reprovadas pelo Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ), na sessão plenária da última terça-feira (07), por irregularidades e impropriedades apontadas no voto da relatora, conselheira substituta Andrea Siqueira Martins, que emitiu parecer prévio contrário às contas do ex-prefeito Marcus Aurélio Dias. Uma das quatro irregularidades que levaram o Tribunal a esta decisão foi a realização de despesas no total de R$ 2.335.051,68, sem a devida cobertura orçamentária.

 
As contas de 2016 da prefeitura de Guapimirim foram reprovadas pelo Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ), na sessão plenária da última terça-feira (07), por irregularidades e impropriedades apontadas no voto da relatora, conselheira substituta Andrea Siqueira Martins, que emitiu parecer prévio contrário às contas do ex-prefeito Marcus Aurélio Dias. Uma das quatro irregularidades que levaram o Tribunal a esta decisão foi a realização de despesas no total de R$ 2.335.051,68, sem a devida cobertura orçamentária. Desse total, R$1.319.968,99 tiveram seus empenhos irregularmente anulados e R$ 1.015.969,99 sequer foram empenhados. As despesas também não foram objeto de registros contábeis e, sem justificativa, os restos a pagar de despesas liquidadas no valor de R$ 1.572.460,33 foram cancelados. Ambas as condutas contrariam as normas gerais de contabilidade pública, a transparência da execução orçamentária e financeira e, ainda, os princípios constitucionais da transparência, da impessoalidade e da moralidade administrativa.
Também houve uma irregularidade referente ao déficit financeiro de R$ 4.836.472,70, ocorrido em 2016, término do mandato, o que leva à outra falha: a prefeitura descumpriu o artigo 42 da Lei Federal nº 101/00 que veda, nos dois últimos quadrimestres do mandato, a assunção de obrigação de despesa que não possa ser cumprida integralmente dentro dele, ou que tenha parcelas a serem pagas no exercício sem que haja suficiente disponibilidade de caixa para este efeito. Por último, não foram realizadas audiências públicas para avaliar o cumprimento das metas fiscais, o que implica no afastamento da participação da sociedade no processo de gestão fiscal.
As despesas com pessoal registraram um crescimento percentual de 5,54%, ultrapassando o limite máximo, que é de 54% da Receita Corrente Líquida (RCL). Esta apresentou uma redução de 0,25%. Segundo a relatora, esse quadro indica "a necessidade urgente de adoção por parte do município de medidas administrativas visando à imediata redução das despesas com pessoal".

 

Tags

Compartilhe:

Edição 20/07/2024
Diário TV Ao Vivo
Mais Lidas

Fim de semana com Ney Matogrosso e Mart’nália em Teresópolis

BR-116: 14 radares fixos começam a funcionar no dia 22

Homem é preso com oito granadas em Teresópolis

Teresópolis: Vale dos Frades vai receber festival de música e arte da montanha

“Não dá pra ficar bem informado sem ele”

WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE