Cadastre-se gratuitamente e leia
O DIÁRIO DE TERESÓPOLIS
em seu dispositivo preferido

TJ derruba liminar e Vínícius terá que pagar as “dívidas dos ex-prefeitos”

Prefeito deixou de pagar R$ 120 milhões de precatórios graça a uma liminar que conseguiu em 2019

Wanderley Peres

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, por unanimidade, cassou liminar que o município de Teresópolis havia conseguido para que fosse evitado o pagamento dos precatórios. Comemorada pelo governo em 2019, quando foi aberta no TJ moratória de 7 meses para que Teresópolis retornasse com os pagamentos porque a municipalidade “se achava em sérias dificuldades financeiras que impossibilitam o pagamento regular dos precatórios sem que isso comprometa a administração e o atendimento às necessidades básicas da população”, como alegou o prefeito, à época, conseguindo, então a Prefeitura que TJERJ se abstivesse de determinar constrições junto aos ativos municipais e a retenção de repasses constitucionais de verbas destinadas pelo governo federal por conta da inadimplência anunciada ao executor.

“Acordam os desembargadores que compõem o Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, por unanimidade, em denegar a ordem, cassando-se a liminar anteriormente concedida nos termos do voto do relator. Trata-se de mandado de segurança contra decisão dos Impetrados que denegou pedido do Impetrante para a concessão de uma moratória de sete meses para voltar a adimplir o acordo e o regime especial de 2019, que tratam da quitação de precatórios por parte do Município de Teresópolis” é a decisão, de setembro do ano passado e que terá de ser cumprida.

Em seu relatório, o desembargador Celso Ferreira Filho observou que, nos idos de 2019, o Município de Teresópolis pleiteou uma suspensão dos pagamentos acordados com o TJERJ pelo período de sete meses, sustentando que devido à má gestão de administrações anteriores, a municipalidade estaria com suas finanças severamente abaladas. “Hoje, mais de 3 anos depois, alega que permanece o estado de penúria, por motivos diversos. Concretamente, a subsistir os argumentos do Impetrante, todos os entes federativos do nosso Estado do Rio de Janeiro estariam autorizados a inadimplir com o pagamento de suas dívidas, uma vez que a crise financeira nos atingiu a todos, indistintamente”, ironizou.

No período em que perdurou a liminar, entre 2019 e 2022, a dívida parcelada e não paga remonta a cerca de R$ 120 milhões. Foram R$ 24.552.229,44 em 2019, R$ 14.681.522,83 em 2020, R$ 52.586.199,50 em 2021 e R$ 26.990.807,96 em 2022, revela planilha do TJ. Sobre a retomada dos pagamentos dos 239 precatórios pendentes, a Prefeitura informou a O DIÁRIO que “o processo de pagamento foi reiniciado no ano passado e que tratativas estão sendo feitas com TJRJ para fixar o plano deste ano”. Quanto ao valor já pago desde então, a Prefeitura informou que foram destinados ao Precatório R$ 9.546.842,26. Revendo as planilhas de pagamentos do Tribunal, no entanto, se percebe que a administração municipal está pagando o parcelado de 2018 apenas e ainda assim está atrasada o compromisso.

Sem dinheiro nos cofres da prefeitura, apesar de ter aumentado consideravelmente a arrecadação enquanto sonegava o pagamento das “dívidas passadas”, com um passivo agora superior a R$ 100 milhões em precatórios que já ultrapassava ao dobro desse valor, porque não manteve as prestações em dia, o prefeito pode enfrentar sequestros de recursos em conta, tirando dinheiro para pagamentos e investimentos, e mesmo para os salários.

“Com um juro de 6% ao ano, que é o que paga a Fazenda Pública, quem tem 300 milhões de dívida e paga 30 milhões por ano, na verdade se paga quase nada, porque está apenas rolando a dívida e aumentando o passivo”, observou advogado consultado pelo DIÁRIO, lembrando ainda que a Câmara Municipal aprovou uma lei para que o RPV de até 30 salários mínimos fosse pago em 60 dias, trazendo para ser paga pelo governo atual as dívidas de precatório em menor monta. Aí, o prefeito derrubou a lei na justiça, para não pagar a “sua dívida”, reduzindo o valor máximo do RPV para R$ 7.507,49. A subseção da Ordem dos Advogados do Brasil em Teresópolis se reuniu com o executivo, buscando um meio termo, tentando a metade do valor, uns 20 salários mínimos de RPV pelo menos, em nova lei de iniciativa do Executivo, porque a lei anterior havia sido feita pelos vereadores e por isso era imprestável, ficando o dito pelo não dito. “Então, além de não existir nenhum interesse do prefeito de quitar os precatórios antigos, Vinícius não tem o interesse, também, de evitar que seja aumentado o endividamento da Prefeitura”, concluiu o advogado, que tem diversas ações ganhas, algumas que já poderiam ter sido pagas, pelo baixo valor individual, e elas estão indo para a fila dos precatórios, ficando na rabeira.

“Hoje, mais de 3 anos depois, alega que permanece o estado de penúria, por motivos diversos. Concretamente, a subsistir os argumentos do Impetrante, todos os entes federativos do nosso Estado do Rio de Janeiro estariam autorizados a inadimplir com o pagamento de suas dívidas, uma vez que a crise financeira nos atingiu a todos, indistintamente”.

E na rabeira dos precatórios entrou, recentemente, uma dívida de R$ dezoito milhões, exatos R$ 18.793.428,85. Não é por conta de praça que algum ex-prefeito desapropriou, mas por conta da má gestão da coisa pública, que ex-prefeitos iniciaram e a atual gestão manteve ruim. O altíssimo valor, que daria para construir quatro ou cinco grandes escolas, com preço superfaturado até, ou mesmo iniciar, com dinheiro público, a implantação do serviço de esgoto da cidade, é o valor das decisões em 95 ações de pagamento do Tribunal Regional do Trabalho, para empregados de oesses contratadas pela Prefeitura que receberam e não pagaram os salários dos servidores, conseguindo eles, na justiça, os vencimentos devidos, decisões todas dos anos 2000 e 2001.

Em tempo: Segundo a planilha dos precatórios, em 2017, quando foram prefeitos Tricano e Sandro Dias, os valores foram todos pagos. Em 2018, da dívida de R$ 42.586.362,36 formada no ano fiscal em que tivemos como prefeitos Tricano, Sandro Dias, Pedro Gil e Vinícius Claussen, foram pagos apenas R$ 9.175.137,77 restando a soma de R$ 33.411.224,59.

………..

DECISÃO
“Percebe-se, assim, que as manobras do Município de Teresópolis para justificar e consolidar o inadimplemento de suas obrigações vem de longe, repetindo-se por inúmeras administrações municipais. Somente neste mandamus, perdura uma liminar há mais de três anos, sem a convalidação pelo plenário deste Órgão Especial. Positivamente, não se afigura na hipótese qualquer direito líquido e certo do Impetrante que justifique a concessão da Ordem. Ao revés, nota-se com clareza o descabimento do pedido de moratória, repetidamente formulado pelo Município de Teresópolis. Por tais fundamentos, DENEGA-SE A ORDEM, CASSANDO-SE A LIMINAR ANTERIORMENTE CONCEDIDA”.
Rio de Janeiro, 26 de setembro de 2022.
DES. CELSO FERREIRA FILHO – RELATOR

Edição 20/04/2024
Diário TV Ao Vivo
Mais Lidas

Mesmo quem já pagou o IPVA deste ano terá de quitar as duas taxas do CRLV-e

OAB esclarece sobre o abuso do aumento da conta mínima comercial de água

Feriado de São Jorge com promoção no Parc Magique do Le Canton

Rodovias federais terão pontos de descanso para motoristas

Três flagrados com cocaína e maconha no Meudon

WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE