Cadastre-se gratuitamente e leia
O DIÁRIO DE TERESÓPOLIS
em seu dispositivo preferido

Trabalhadores do POT reclamam de atraso no pagamento

Sem representação sindical ou formal, contratados do programa social se dizem abandonados e passando por dificuldades

Anderson Duarte

O objetivo do popular POT, ou Programa Operação Trabalho, era o de conceder atenção especial ao trabalhador desempregado, residente no município de Teresópolis, pertencente a família de baixa renda, com o intuito de estimular esse trabalhador na busca por uma ocupação, assim como a reinserção no mercado de trabalho. Apesar de praticamente nunca ter sido usado com esse intuito, o POT abriga ainda hoje uma série de famílias que dependem da pequena renda, mas fundamental nestes lares. Segundo esses trabalhadores, que são empregados em diversas secretarias diferentes, e acabam suprindo a ausência de servidores públicos efetivos nestes setores, o salário, que é pequeno frente aos altos salários dos secretários e membros do alto escalão do governo, não foi pago no prazo, e muitas destas famílias já sentem o peso da inadimplência e falta de condições básicas de sustento.
De acordo com a conceituação do próprio ordenamento local, o Programa Operação Trabalho é parte da política pública municipal, que se ocupa em procurar alternativas de reinserção no mercado de trabalho de pessoas em vulnerabilidade social, garantindo às mesmas qualificações para o trabalho e a cidadania, bem como a possibilidade de realização de atividades na própria administração pública e instituições parceiras. Ainda de acordo com o texto legal, esses beneficiários receberiam, ainda, auxílio pecuniário de até um e meio salário mínimo vigente, bem como subsídio para despesas de deslocamento. Sem os trabalhos de reinserção como propõe sua constituição, o que resta é um monte de gente trabalhando no serviço público, sem as garantias legais de cargos comissionados, muito menos a segurança jurídica de um concurso público e suscetíveis aos desmandos do homem público. “Diferente dos servidores públicos, nós não temos um sindicato. Na verdade nem podemos ter. e chega nestas horas ficamos absolutamente sozinhos contra o governo, que simplesmente não paga”, lamenta um funcionário do POT em contato com nossa redação.
O SEPE, que na última semana já alertava para o não pagamentos dos salários, mesmo sem ser efetivamente representante da categoria levantou o problema e cobra, através das redes sociais, por uma solução imediata. “Trabalhadores do POT lotados na Secretaria de Educação denunciaram ao SEPE que os salários ainda não tinham sido pagos. Há 20 dias, o gestor Vinícius Claussen fez o pagamento do primeiro grupo de servidores, e mais uma vez, esse grupo de trabalhadores é invisibilizado. Sabemos da fragilidade de sua relação com o governo, por isso defendemos o concurso público. Mas se torna necessária a organização desse grupo para solucionar a situação. Esperamos, inclusive, que o governo Claussen sinalize a data para o pagamento de seus salários. Essas pessoas são as mais precarizadas, porque não recebem qualquer direito trabalhista e o contrato dura dois anos. É urgente que haja concurso público para todos os cargos dentro da Educação, visto que os POTs fazem trabalho de limpeza até a função de cuidadores de alunos com deficiência. O concurso também ofereceria oportunidade desses trabalhadores concorrerem às vagas para serem efetivados no serviço público, resolvendo parte dessa insegurança”, explica o SEPE Teresópolis.
De acordo com nossa legislação, são consideradas violações com a execução do POT as seguintes práticas: a precarização da mão de obra, ou seja, não são trabalhadores para qualquer atividade; o não cumprimento às exigências de perfil dos beneficiários, que constituem norma primária de um programa social e com vínculo a verbas destinadas a este fim; a ausência de oferta a atividades de qualificação para o trabalho e de cidadania, talvez o artigo mais desrespeitado de todos, já que nenhum tipo de atividade para essa promoção foi instituída desde sua criação; aos Princípios constitucionais da Administração Pública, constantes no artigo 37 da Constituição Federal, tais sejam a legalidade, a impessoalidade, a moralidade, a publicidade e a eficiência); além de desrespeitos aos Princípios da dignidade humana, constitucionais trabalhistas, como irrenunciabilidade, primazia da realidade e proteção; além do desrespeito as legislações de Improbidade Administrativa de Responsabilidade Fiscal. De acordo com índices defasados de manutenção da atividade do POT no município de Teresópolis, eram quinhentos e cinquenta mil reais mensais.

Tags

Compartilhe:

Edição 19/04/2024
Diário TV Ao Vivo
Mais Lidas

Homem é preso com quatro armas e munições em Teresópolis

Governador Cláudio Castro nomeia novo secretário de Polícia Militar

Agendamento online para passaportes está indisponível temporariamente

Polícia Civil conclui inquérito e indicia por tráfico mulher que deu balas com droga para camareira de hotel em Teresópolis

Prefeitura de Teresópolis confirma data do leilão de veículos apreendidos

WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE