Cadastre-se gratuitamente e leia
O DIÁRIO DE TERESÓPOLIS
em seu dispositivo preferido

Três meses depois de prisões, Câmara retoma trabalhos

Primeira sessão com suplentes empossados recheada de discursos sobre união e pedidos de apoio entre Legislativo e Executivo

Marcello Medeiros

Pouco mais de três meses após a prisão dos vereadores Cláudia Lauand, Dedê da Barra, Leonardo Vasconcellos, Pastor Luciano, Rock e Ronny Carreiro, em operação do Ministério Público e Polícia Civil, a Câmara Municipal realizou sua primeira sessão com os 12 representantes do povo no plenário. Os seis suplentes dos edis acusados de peculato e corrupção foram empossados nesta terça-feira (02), no primeiro encontro dos vereadores após o período de recesso. João Miguel, Hygor Faraco, Raimundo Amorim, Ângelo Gallo, Alessandro Cahet e José Carlos da Estufa assumiram as funções que não sabem até quando terão que cumprir – visto que a qualquer momento um dos seis presos pode conseguir alguma decisão judicial favorável e, dessa forma, até retornar à Câmara. No caso de Estufa, a informação extraoficial é que ele deve deixar a suplência em breve: Há cerca de um mês no cargo de secretário municipal de Agricultura, ele pediu exoneração para participar do rito legal no Legislativo e, posteriormente, após cumprir o trâmite esperado de um substituto, retornaria à função no governo Vinicius Claussen.
A nova administração, aliás, foi o principal foco da primeira sessão com a presença dos 12 vereadores. Tanto eleitos quanto suplentes recém-empossados trabalharam o discurso de união e apoio mútuo entre Legislativo e Executivo para o crescimento de um município bombardeado por anos seguidos de péssimas administrações. João Miguel, do PSDC, foi um dos recebeu a missão de tentar resolver anos de problemas e falta de compromisso com a coisa pública. “Gostaria de agradecer a todos que sempre estiveram do meu lado, sempre fui bem votado e agora chegou a hora de retribuir. Temos que unir executivo e legislativo para as coisas andarem. Estavam sempre em briga e nada andava. Assim quem perde é a população. Nós temos que trabalhar, botar cara e trabalhar, ir para a rua. Não quero ser um vereador de gabinete, quero estar nos bairros, no interior, e ajudar o novo prefeito nessa luta aí”, pontuou o suplente do Pastor Luciano.
Sem quórum por diversas semanas, a Câmara não estava apresentando sequer proposições. Por isso, a primeira sessão com a casa cheia foi recheada de pedidos de melhorias em bairros, reformas em escolas e, principalmente, relacionando reclamações sobre o problema da iluminação pública em diversas comunidades. Vereador em outros mandatos, o médico Raimundo Amorim lembrou que tal situação é vergonhosa e questionada há muitos anos. Segundo ele, se todas as lâmpadas pedidas tivessem sido instaladas, “Teresópolis seria a verdadeira cidade luz”.

Prefeito pede ajuda
Falando em iluminação, quem “buscou uma luz” na Câmara Municipal nesta terça-feira foi o prefeito Vinicius Claussen, que no fim de semana completa um mês à frente do governo municipal. Após acompanhar toda a sessão do Legislativo, ele elogiou o trabalho realizado pelo vereador Pedro Gil, que assumiu a prefeitura entre a saída do então ficha suja Mário Tricano e a realização da eleição suplementar, destacou a caótica situação que encontrou após assumir sua cadeira no Palácio Teresa Cristina e a necessidade de transparência e união para a reconstrução de Teresópolis. “Estamos começando uma nova fase no município, de diálogo, de transparência, de visão coletiva. Precisamos unir Executivo, Legislativo e Judiciário… E, juntos, sem vaidades, tirando as intenções pessoais, para servir Teresópolis. Está na hora de pensar a cidade juntos, de sonhar juntos e conquistar juntos”, enfatizou.
E uma das primeiras ajudas que o prefeito irá buscar junto aos vereadores é a aprovação da flexibilização do orçamento municipal, bastante prejudicado por conta da péssima e irresponsável administração Tricano. Entre outros problemas, ele citou a utilização de aproximadamente R$ 60 milhões dos recursos deste ano para quitar contas de 2017, o que prejudica o fechamento dos trabalhos do semestre em curso. Vinicius também destacou a necessidade de apoio para resolver a questão da saúde. “Tenho certeza que os vereadores vão receber nossas demandas. Uma delas é permitir que orçamento seja revisado, seja flexibilizado, que haja um percentual de remanejamento das contas. Demandas sobre mais valia, anistia, concilia, todos esforços unidos para que consigamos arrecadar com qualidade e honrar o pagamento de servidores e inativos. Para nossa gestão é o mais importante, além da saúde logicamente. Sabemos a situação que o município se encontra. Estamos fazendo uma avaliação do nosso sistema de saúde e ajuda do governo federal. O Secretário Nacional de Saúde esteve em Teresópolis na semana passada e nos próximos dias o Ministro da Saúde, Gilberto Occhi, também virá a Teresópolis. Todo o dia procuramos alinhar novamente o sistema se saúde e atender a população, uma vez que a saúde não pode esperar, não pode ser agendada, tem que ser atendida, e com humanismo, o que é o mais importante”, destacou. 

A prisão dos vereadores
Metade dos vereadores de Teresópolis foi alvo de prisão em uma operação do Ministério Público do Rio de Janeiro e da Polícia Civil realizada no dia 25 de maio passado. Foram presos Claudia Lauand, a "Dra. Claudia", Eudilbelto José Reis, o "Dedê da Barra", Leonardo Vasconcellos de Andrade, Luciano dos Santos Cândido, o “Pastor Luciano”, Rocsilvan Rezende da Rocha, o "Rock", e Ronny Santos Carreiro. Segundo as investigações, eles teriam se unido para exigir do ex-prefeito a indicação de empresas a serem contratadas, sem as devidas licitações, para realização dos serviços de iluminação pública municipal, cemiteriais, estacionamento rotativo pago e saneamento básico no município, além de contratação de pessoas indicadas por eles para cargos comissionados no poder executivo. Luciano foi denunciado também por corrupção ativa pela suspeita de oferecer a um ex-secretário municipal o pagamento de R$ 300 mil por mês, em troca da indicação de uma empresa para prestação do serviço de coleta de lixo. A médica Claudia Lauand foi acusada de crime de peculato, por empregar o marido e uma mulher que estaria recebendo somente parte do salário e devolvendo o restante para a vereadora. Os seis edis estão em unidade prisional da Polinter, no Rio de Janeiro. 

“Um dos pedidos que será feito aos vereadores é permitir que orçamento seja revisado, seja flexibilizado, que haja um percentual de remanejamento das contas”, relatou Vinicius Claussen em entrevista à DIÁRIO TV

Tags

Compartilhe:

Edição 17/04/2024
Diário TV Ao Vivo
Mais Lidas

Veja como ficam as repartições e atrativos turísticos de Teresópolis no feriado

Barra: 60 dias de trânsito lento na Rua Dr. Oliveira

Teresópolis recebeu etapa do Circuito Carioca Master de Vôlei de Praia

Quatro fontes com água imprópria para consumo em Teresópolis

Moradores da Rui Barbosa denunciam calçada em situação irregular

WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE