Cadastre-se gratuitamente e leia
O DIÁRIO DE TERESÓPOLIS
em seu dispositivo preferido

26 de março, Dia Mundial de Conscientização sobre a Epilepsia

Neurologista do Hospital São José alerta para cuidados e recomendações aos epiléticos

No dia 26 de março, pessoas do mundo todo são convidadas para usar a cor roxa com o intuito de conscientizar sobre a epilepsia, alteração do funcionamento do cérebro que se manifesta pelas crises já conhecidas por muitos. O chamado Purple Day (dia roxo) busca promover o debate acerca da condição neurológica que afeta cerca de 1 a 2% da população mundial, de acordo com a Organização Mundial de Saúde. Os sintomas da epilepsia são caracterizados pelas crises epilépticas, manifestações transitórias do cérebro que disparam descargas elétricas, focais ou generalizadas, que levam a convulsões. “Pode ser desde um mal-estar vago com tremores de um membro, ou parte do corpo, até o quadro clássico de abalos e tremores do corpo todo com perda de consciência. Desde uma sensação vaga de ausência ou tremores e abalos, até a perda da consciência com abalos, contrações e hipertonia”, afirma Sandra Bronstein, neurologista do Hospital São José.
A epilepsia é caracterizada como uma síndrome, conjunto de sinais e sintomas que determinam uma condição, sendo comum a muitas doenças. Por isso, ela pode ser causada por diferentes fatores: transmissão hereditária por mutações do gene, alterações do neurodesenvolvimento, infecções, tumores, doenças cerebrovasculares como o AVC, sequelas de traumatismo do crânio, entre outros. “As idades de aparecimento da condição também são variáveis, sendo os picos de incidência na infância, adolescência e nos idosos”, completa a especialista.
O tratamento da epilepsia é indicado a partir da segunda crise do paciente, podendo ser recomendada uma medicação que deve ser usada regularmente para bloquear as crises. Os principais fatores que podem desencadear as convulsões são: esquecimento da dose do anticonvulsivante, álcool, estresse, desidratação, calor excessivo, infecções e febre.
“Desde que o epiléptico esteja com as crises controladas, não existem contraindicações. Algumas recomendações gerais são evitar a direção de veículos, esportes radicais, natação e mergulhos. Jogos eletrônicos e o uso excessivo de telas também podem favorecer e desencadear convulsões”, comenta a Dra. Sandra Bronstein. A boa alimentação, entretanto, pode ser aliada do paciente com epilepsia, podendo ajudar no controle de crises. A dieta cetogênica, por exemplo, é muito indicada para o tratamento da doença. “Caso presencie alguma pessoa tendo uma crise convulsiva, tente colocá-la deitada em um local mais confortável e seguro para minimizar quedas e ferimentos. Não tente dar nenhum remédio, comida ou água para a pessoa. Apenas chame a emergência”, finaliza a neurologista do Hospital São José.

Edição 17/04/2024
Diário TV Ao Vivo
Mais Lidas

FEIRINHA DO ALTO EM HORÁRIO ESPECIAL. Veja como ficam as repartições e atrativos turísticos de Teresópolis no feriado

Barra: 60 dias de trânsito lento na Rua Dr. Oliveira

Teresópolis recebeu etapa do Circuito Carioca Master de Vôlei de Praia

Quatro fontes com água imprópria para consumo em Teresópolis

Moradores da Rui Barbosa denunciam calçada em situação irregular

WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE