Cadastre-se gratuitamente e leia
O DIÁRIO DE TERESÓPOLIS
em seu dispositivo preferido

Albuquerque: manilhas usadas em obra da PMT foram compradas por moradores

População se uniu para adquirir nova rede e tentar resolver problema que se arrasta há vários anos. Prefeitura ficou com a parte de instalação

Isla Gomes

Na última sexta-feira (12), a prefeitura divulgou material informando sobre a construção de uma galeria de águas pluviais, com extensão de 2,6 km, na Rua México e entorno, em Albuquerque. Mas, importante frisar, o material para a realização dessa aguardada obra foi adquirida pelos próprios moradores, que sofrem constantemente com o estado precário das ruas e grande volume de lama na estação chuvosa. Com a instalação das manilhas, o objetivo é melhorar o escoamento das águas das chuvas na região. Foi necessária a ajuda dos moradores para a parceria com o poder público e início da obra. Mesmo pagando anualmente um bom valor em impostos, eles tiraram mais dinheiro do bolso para a compra das manilhas. A equipe da Diário TV e do Jornal O Diário esteve no local para conversar com um representante da comissão de moradores que está acompanhando as obras. “Essa parceria partiu de um grupo pequeno de moradores para tentar solucionar não só os problemas das águas que escoam pelas ruas de cima, mas também pelo transtorno que ela causa para a RJ-130. Foi realizada uma reunião com intuito de fazer algum tipo de arrecadação ou pelo menos dar um pontapé inicial para que começasse essas obras. Com isso, a Prefeitura se prontificou em doar toda a mão de obra, disponibilizando máquinas e também os trabalhadores. O DER (Departamento de Estradas de Rodagem) se prontificou em fazer toda a parte de atravessar a RJ-130 e daqui em diante nós retornaremos novamente com o DER e com a prefeitura para fazer a ligação no outro lado da rua chegando até o córrego na rua de baixo, que também é muito afetada com as águas daqui de cima”, relata o morador Armando Miguel, um dos representantes da comissão de moradores que está acompanhando as obras.

Compra das manilhas
Depois de tanto tempo pedindo por uma obra como essa, os moradores não viram outro jeito a não ser o de ajudar a prefeitura a fazer o serviço público, tirando dinheiro dos próprios bolsos para a compra das manilhas. “Nós reunimos aqui até então 57 moradores, ou seja, são 57 famílias que estão contribuindo diretamente. Cada um está ajudando da forma que pode, temos moradores contribuindo com quinze manilhas, outros com dez, cinco, e por aí vai. De certa forma esse foi o único jeito que nós vimos para que a obra pudesse finalmente acontecer, mas alguns moradores não ficaram satisfeitos com essa doação, por acharem que o poder público que deveria fornecer todo o serviço. Mas essa foi a única forma que encontramos para tentar resolver todo transtorno que a população aqui já passa há um bom tempo”, afirma Armando.

“Cada um está ajudando da forma que pode, temos moradores contribuindo com quinze manilhas, outros com dez, cinco, e por aí vai. De certa forma esse foi o único jeito que nós vimos para que a obra pudesse finalmente acontecer”, destaca Armando Miguel, da comissão dos moradores. Foto: Isla Gomes/O Diário

Falta manilha
Ele ressalta também que mesmo com todo o esforço da população, ainda faltam manilhas para que a obra seja completamente realizada. “Hoje não temos a quantidade suficiente de manilhas para realizar todo projeto que planejamos, não chegamos nem na metade do que precisamos. Desta forma. Iremos proceder com a obra até certo ponto e depois iremos ver o que podemos fazer. No momento temos 577 manilhas já recebidas e algumas doações financeiras que serão revertidas na compra de manilhas em breve, contando com isso teremos em torno de 900 manilhas”, frisa o morador de Albuquerque.

Melhorias após a obra
Para que a dignidade dos cidadãos seja garantida, o acesso seguro aos seus lares é o primeiro passo. O representante nos conta que esse é o objetivo principal diante da situação complexa que os moradores da região passam há anos. “O nosso acesso em dias de chuva ficava intransitável, não dava para subir e nem descer, principalmente nas chuvas fortes de verão. Nessas ocasiões descia muito barro e muita pedra, era uma situação precária. Tudo isso prejudicava não só os moradores, mas também, entrega de material, coleta de lixo, subida de carros de emergência, entre outras coisas. Estamos esperançosos que após essas obras nosso acesso seja finalmente digno e que assim esse sofrimento de anos será resolvido”, explica.

E o asfaltamento?
Armando explica ainda que para que a solução seja definitiva, é preciso que haja o devido asfaltamento no local. Demanda que já vem sendo solicitada há um bom tempo. “É muito importante que o poder público nos ajude nessa luta asfaltando o local, caso contrário correremos o risco do assoreamento das manilhas, depois de nos esforçamos tanto para conquista-las. Essa promessa do asfalto foi feita pela Prefeitura, agora é aguardar e esperar o cumprimento”, conclui.


Edição 23/05/2024
Diário TV Ao Vivo
Mais Lidas

Noventa bombeiros militares do Rio de Janeiro são condecorados pela atuação no Rio Grande do Sul

Corujão: novos horários de ônibus durante a madrugada em Teresópolis

Lula avalia vetar taxação federal de compras internacionais até US$ 50

Fiação quase no nível da rua na Dr. Aleixo, na Várzea

Centro Operacional da GCM homenageia Márcio Catão

WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE