Cadastre-se gratuitamente e leia
O DIÁRIO DE TERESÓPOLIS
em seu dispositivo preferido

Câmara discute falta de médicos em Teresópolis

Vereadores querem ver os pontos dos médicos que a prefeitura diz em nota que tem

Wanderley Peres

O prefeito nega, e disse em nota que a Upa tem médico sim, transparecendo serem fake news as falações dos vereadores Leonardo e Fidel Faria, que no final de semana repercutiram nas redes sociais o descaso da secretaria de Saúde quando ao atendimento ao público no portal de entrada da rede municipal de saúde, a Upa 24 Horas, na rua Tenente Luiz Meirelles.

Segundo publicado no DIÁRIO, a Upa teria ficado sem médicos entre os dias 7 e 10 de abril. Agora, mesmo depois da denúncia feita e do desmentido do prefeito, em sessão da Câmara os vereadores voltaram à carga, afirmando que os médicos continuam faltando, e que por conta disso os atendentes da Upa vêm orientando os pacientes a procurarem o posto de Saúde Eithel Abdala, no bairro São Pedro. E, para confirmar a denúncia, e desmentir o prefeito, exigiram dele que informe ao poder Legislativo os pontos dos médicos, pedido de informações do vereador Fidel que foi aprovado por unanimidade. Foram solicitados ao prefeito os pontos digitais e manuais, bem como o BAM das ambulâncias, respeitando o sigilo do paciente, inclusive com as gravações de todas as câmeras referentes aos dias 11 e 12 de março do corrente ano; de 18 e 19 de março e dos dias 7, 8, 9 e 10 de abril.

“No final de março estive na upa pela manhã e só tinha um médico na sala vermelha, por causa disso os pacientes estavam sendo encaminhado para O Abdala. Ficou dessa maneira de 8h as 10h15min, quando eu comuniquei o diretor médico e solucionaram o caso. Na última quinta-feira, deveria ter três médicos até as 21h e após não teria nenhum e foi constatado isso inclusive pelo diretor médico e tenho as mensagens dele confirmando o ocorrido. Quando eu cheguei só tinha um médico e em atendimento para a Upa toda. O suposto médico que disseram que estaria na ambulância eu não o vi em lugar nenhum, para mim ele já teria ido embora. Com a confusão toda eles tiraram médico da vermelha para atender na recepção até mesmo a chegada do outro médico que não trabalha na Upa, foi para quebrar o galho ficando a noite toda com dois médicos, o plantonista de 24h e o que chegou às 22h15min, e ninguém mais”, informou o vereador Fidel, lembrando que o normal é a Upa fazer o atendimento com quatro médicos.

Médico, o vereador Raimundo Amorim disse que a falta de médicos na Upa e na secretaria de Saúde ocorre pelos maus tratos que eles vem sofrendo em Teresópolis.

“Não tem médico que não queira trabalhar. O profissional quer ter trabalho, ele estudou para isso. Mas não pode ser explorado e maltratado. Há três anos que não tem um reajuste de salário na Saúde, seja enfermeiro, técnico de enfermagem, todos os profissionais, justamente eles que mais se desdobraram durante a pandemia. Tudo aumentou e o salário é o mesmo. O plantão de 12 horas é 900 reais, se o médico atrasar 15min num plantão de 12horas, ele ganha só 600 reais. Isso é pressionar o profissional. Vivem com o chicote no lombo do profissional aqui. Em Guapimirim e Friburgo, Magé e Petrópolis, nossos vizinhos pagam mais e dão melhores condições de trabalho aos servidores da saúde. A nossa saúde vai mal, especialmente por causa disso. Não tem médicos e não vão conseguir do jeito que estão tratando os médicos”, disse, apontando as críticas para a chefe do setor de controle dos médicos, que corta o ponto do médico que falta mas não o substitui, como manda o bom costume. “Cortar o ponto, dar ordem, chantagear os médicos, isso não é tipo de colega. Maltratam, pagam mal, e os profissionais da saúde que se danem, porque o que importa é ser chefe”, afirmou, apontando as críticas ao prefeito, no final o culpado porque é ele o gestor, quem escolhe os maus assessores. “O prefeito precisa ir nos PSFs e ver porque a saúde não está funcionando. Precisa pagar melhor os profissionais. Se tiver boa vontade pode melhorar a saúde sim, o que falta é planejamento, é preocupação com o problema que virou a nossa saúde. Faz concurso publico, prefeito, com um ordenado digno, aí os profissionais aparecem para trabalhar. Três anos sem reajuste e os salários os mesmos da década passada, se não rever isso a saúde vai piorar ainda mais em Teresópolis, se é que isso é possível”, concluiu.

Líder do governo na Câmara, o vereador Paulinho Nogueira disse estar empenhado em ajudar a resolver o problema, sugerindo que Teresópolis deveria estudar a prestação dos serviços de saúde nos municípios vizinhos para aplicar aqui. “Para tudo acham uma brecha na lei. Passamos pela pandemia, os profissionais da saúde estavam na linha de frente. Aumenta o salário dos médicos, cria condições. Médico, enfermeiro, técnico, recepcionistas… Se chegar uma lei dando melhores condições aos médicos, vamos votar e aprovar porque é do interesse da população. O que não pode é continuar como está a saúde. Tem que rever essa questão dos 15min de tolerância, compensar o atraso. Precisamos ver isso porque a coisa começou a complicar”, disse, lembrando que a desculpa da pandemia não cola mais e o povo precisa ser atendido em suas necessidades de saúde.

Alcance e EPS

Ainda com relação à saúde e seus males, o vereador Amós teve aprovado pedido de informações ao prefeito quanto aos funcionários contratados nos últimos 6 meses e quantos foram exonerado na secretaria de Saúde, além do relatório de pontos dos últimos meses, dos nomes das empresas terceirizadas e dos pontos de câmeras que flagram o atendimento. O vereador que é do bloco de apoio ao prefeito na Câmara, ousou ainda mexer em vespeiro [de interesses] ao apresentar pedido de informações sobre a atuação do Centro Médico Alcance e quais serviços a empresa vem prestando à saúde. Amós pediu ainda os extratos de pagamentos realizados à empresa Alcance nos últimos dois anos, suspeitando ainda o vereador da empresa EP Serviços Médicos de Teresópolis.

“Tenho relatos de familiares que informaram que não tinha médico na Upa. Vem verbas estaduais e federais, fazemos emenda, mas os pacientes continuam informando que não tem medicação”, reclamou Fidel.

Considerando as atribuições fiscalizadoras do Poder Legislativo, em consonância com a Lei Orgânica de Teresópolis, e os princípios que norteiam a Administração Pública, estabelecidos no Art. 37 da Constituição Federal;
Considerando as denúncias sobre a falta de médicos ocorridas nos dias 11 e 12 de março do corrente ano, bem como nos dias 7, 8, 9 e 10 de abril, na UPA24H;
Considerando as informações que os pacientes chegam à UPA24H e são orientados a procurarem outra unidade de saúde, tendo em vista a falta de médicos;
REQUER que, após ouvido o Plenário, seja encaminhado ao Exmo. Sr. Prefeito Municipal, de Teresópolis e ao Secretário Municipal de Saúde, o seguinte pedido de informações:
1) Que sejam enviados os registros de pontos digitais e manuais, bem como o BAM das ambulâncias, respeitando o sigilo do paciente, inclusive com as gravações de todas as câmeras referentes aos dias 11 e 12 de março do corrente ano;
2) Que sejam enviados os registros de pontos digitais e manuais, bem como o BAM das ambulâncias, respeitando o sigilo do paciente, inclusive com as gravações de todas as câmeras referentes aos dias 18 e 19 de março do corrente ano;
3) Que sejam enviados os registros de pontos digitais e manuais, bem como o BAM das ambulâncias, respeitando o sigilo do paciente, inclusive com as gravações de todas as câmeras referentes aos dias 7, 8, 9 e 10 de abril do ano em curso.

Edição 25/07/2024
Diário TV Ao Vivo
Mais Lidas

Mais dois flagrantes de corte irregular de árvores em Teresópolis

ATÉ DÍVIDA DE R$ 1: Prefeitura de Teresópolis notifica e divulga lista com 210 contribuintes

Transporte escolar: renovação do alvará até o dia 31

Onça-parda e Jaguatirica “gigante” flagrados em trilhas do Parque dos Três Picos

Estácio Teresópolis disponibiliza vagas para o ProUni

WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE