Cadastre-se gratuitamente e leia
O DIÁRIO DE TERESÓPOLIS
em seu dispositivo preferido

Evento reforça estratégias para minimizar a consequência das mudanças climáticas

Gratuito, “I Encontro de Emergência Climática” será realizado no próximo sábado Casa de Cultura. Veja a programação

Isla Gomes

Mudanças climáticas são as alterações provocadas nos padrões climáticos em longo prazo. Elas têm sido alvo de discussões no mundo todo, diante das suas consequências e a preocupação da população, visto que essas alterações no clima geram impactos ambientais, sociais e econômicos significativos, pois, mudam o equilíbrio da natureza e acabam acarretando tragédias climáticas. Recentemente acompanhamos os efeitos catastróficos causados pela tempestade que assolou o Rio de Janeiro e, além disso, neste mês de janeiro relembramos a Tragédia ocorrida no fatídico dia 12 de janeiro de 2011, que castigou Teresópolis, Nova Friburgo, Petrópolis e São José do Vale do Rio Preto. Diante deste cenário, será realizado no próximo sábado, daí 20, a partir das 13h, o “I Encontro de Emergência Climática”. Gratuito, o evento será realizado na Casa de Cultura Adolpho Bloch e visa construir estratégias para minimizar os efeitos das mudanças climáticas na região. A equipe do Diário conversou com os dois organizadores dessa importante iniciativa.

As alterações no clima geram impactos ambientais, sociais e econômicos significativos, pois, mudam o equilíbrio da natureza o que acaba acarretando em tragédias climáticas. Foto: Marcello Medeiros/O Diário

Para Cristina Lydia, a reunião é fundamental para que todos possam expor suas ideias e assim traçarem planos para enfrentar as consequências das alterações climáticas. “A maior importância desse evento é reunir educadores ambientais, comunidades e poderes públicos de todas as esferas, para que possamos discutir quais são os riscos e desafios das mudanças climáticas, aliás, emergências climáticas, pois já passou de apenas uma mudança, agora é algo emergencial. Vemos nos jornais dia após dia os noticiários das tragédias ocorridas por conta das chuvas e as perguntas que ficam são: a cidade se preparou? Temos estrutura para eventos assim? É isso que queremos de bater e conversar nesse encontro”, destaca a coordenadora do projeto EcoMóvel.

Questionamentos
Beique San é representante da Associação de Amigos e Moradores de Santa Cecília (AMASC) e do coletivo “Nós da Comunidade” e destaca alguns dos questionamentos que são pertinentes e serão debatidos na ocasião. “Com a intensificação das mudanças climáticas, com o extremo calor e muita chuva, queremos saber o que vamos fazer e o que será feito quanto a isso. Será que hoje, depois de tantos anos de uma das maiores tragédias da Região Serrana, será que estamos preparados para uma chuva daquelas? Será que temos um efetivo da Defesa Civil preparado? Será que temos abrigos? Nós ouvimos falar muito de venda de água e de infraestrutura, mas só fica no falar, enquanto isso a tragédia está nas nossas portas. É justamente sobre tudo isso que nós estaremos falando no Encontro, com o intuito principal de guardar vidas, bens materiais se perdem e se compram, mas as vidas precisam ser guardadas de tragédias como a de 2011. É fundamental que todas as comunidades de Teresópolis estejam presentes para poder apontar as deficiências de cada local e sugerir a implantação de possíveis ações que possam salvar vidas”, conclui.

Relembrando o dia 12
O dia 12 de janeiro foi instituído como data “in memoriam” às vítimas da Tragédia de 2011 em Teresópolis. Há 13 anos, a região foi alvo da maior tragédia climática da história do Brasil, quando a chuva que caiu na madrugada deixou mais de 900 mortos e quase 100 desaparecidos. Na ocasião, os municípios mais afetados foram Nova Friburgo, São José do Vale do Rio Preto, Petrópolis, e Teresópolis – que registrou 392 mortes. O volume de chuva foi de aproximadamente 250 milímetros em pouco mais de uma hora, o que causou escorregamentos de terra e alagamentos com proporções nunca vistas na Região Serrana do Rio de Janeiro. Em Teresópolis, bairros como Campo Grande, Posse e Cascata do Imbuí viram centenas de imóveis desaparecem em meio à enxurrada e montanhas de lama.

Detalhes do Encontro
O evento é gratuito e está marcado para sábado, dia 20 de janeiro, das 13h às 17h. A reunião será realizada na Casa de Cultura Adolpho Bloch, que fica localizada na Praça Juscelino Kubitscheck Rua Tietê, bairro Araras.

Programação e participações

  • 13h: Abertura
  • 13h15: Boas vindas dos organizadores
  • 13h30: Apresentação sobre Emergência Climática – Projeto EcoMóvel
  • 13h45: Mesa de diálogos: Flávio Castro – Secretário de Meio Ambiente de Teresópolis
  • Professor Gabriel Schvarsberg – Professor do curso Arquitetura e Urbanismo da UERJ Petrópolis
  • Dr Rafael Dias (Professor e tutor coordenador no curso de Graduação em Geografia da UERJ/CEDERJ no polo Teresópolis.)
  • Antônio Marcos Panquestor Junior (Diretor de monitoramento da
    Defesa Civil de Teresópolis)
  • Vereador Leonardo Vasconcelos presidente da Câmara Municipal de Teresópolis
  • Deputado Yuri Moura presidente da Comissão de Prevenção à Tragédias – 14h45: Perguntas do público
  • 15h45: Apresentação do Esboço e construção coletiva de Carta de Compromisso pelo Clima.
  • 16h20: Encerramento
Edição 22/02/2024
Diário TV Ao Vivo
Mais Lidas

Temporal mata cinco pessoas no estado do Rio

LADRÕES DE RESIDÊNCIAS: Troca de tiros e quadrilha presa na Barra do Imbuí

Flávio Dino toma posse como ministro do Supremo Tribunal Federal

Bolsonaro não responde à PF em depoimento sobre golpe de Estado

Governo do Estado atua nas cidades afetadas pelas chuvas

WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE