Cadastre-se gratuitamente e leia
O DIÁRIO DE TERESÓPOLIS
em seu dispositivo preferido

Imunização injetável contra pólio vai substituir vacina da ‘gotinha’

Novas evidências científicas indicam que esse é um esquema mais eficaz

Tâmara Freire – Repórter da Rádio Nacional – Rio de Janeiro 

Foi graças à gotinha que o Brasil conseguiu erradicar a poliomielite. A vacinação oral facilitou a imunização em massa num curto período de tempo, contribuindo pro sucesso das grandes campanhas contra a pólio desde os anos 70. Depois de tanto serviço prestado, chegou a hora dela se aposentar. Atualmente, as crianças brasileiras recebem três doses da vacina injetável, aos 2, 4 e 6 meses de idade. E a gotinha é dada como reforço aos 15 meses e aos 4 anos. Mas a partir do ano que vem, os brasileirinhos serão imunizados apenas via seringa, já que as novas evidências científicas indicam que esse é um esquema mais eficaz e seguro. Quem explica é a presidente da Comissão de Certificação da Erradicação da Pólio no Brasil, Luíza Helena Falleiros Arlant.  

A mudança demonstra uma característica muito importante do Programa Nacional de Imunizações: a sua atualização constante. Em 1977, o PNI instituiu o seu primeiro calendário básico com apenas 6 vacinas: contra tuberculose, sarampo, difteria, tétano, coqueluche e pólio. Hoje, são oferecidas 16 vacinas infantis, 6 para adolescentes, 3 para gestantes e 4 para adultos e idosos. De acordo com o coordenador do programa, Eder Gatti, novas inclusões são avaliadas constantemente. 

Uma das prioridades neste momento é a vacina contra a dengue, doença que só este ano registrou mais de 1 milhão de casos e de 600 mortes no Brasil. Em março, a Anvisa concedeu registro para a vacina QDenga, criada pela farmacêutica japonesa Takeda. E o Ministério da Saúde espera firmar um acordo com transferência de tecnologia para que ela seja produzida pela Fiocruz.

Mas especialistas chamam a atenção também para outras doenças graves com vacinas disponíveis, como o vírus sincicial respiratório, que causa infecção nas vias respiratórias, especialmente em crianças pequenas. A diretora da Sociedade Brasileira de Imunizações, Isabela Balallai defende essa e outras inclusões. 

Além disso, alguns pesquisadores avaliam que o calendário básico poderia ter um número maior de vacinas combinadas. Como uma mesma aplicação protege contra várias doenças, seriam necessárias menos idas aos postos, o que poderia contribuir para o aumento das coberturas.

Tags

Compartilhe:

Edição 13/07/2024
Diário TV Ao Vivo
Mais Lidas

Teresópolis caminha para ser um dos maiores produtores de vinho do Sudeste

Há 75 anos uma teresopolitana pisava no Dedo de Deus pela primeira vez

“Cantinho das Cerejeiras” faz sucesso em Teresópolis

Mesmo quem já pagou o IPVA deste ano terá de quitar as duas taxas do CRLV-e

Rio: Polícia prende 6 suspeitos de fraudar agências bancárias

WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE