Cadastre-se gratuitamente e leia
O DIÁRIO DE TERESÓPOLIS
em seu dispositivo preferido

Moradores da Rui Barbosa denunciam calçada em situação irregular

Segundo eles, abandono de passagem coloca diversas pessoas em risco diariamente

Isla Gomes

Nesta terça-feira (16) a equipe da Diário TV e do Jornal O Diário esteve na Rua Rui Barbosa, na Várzea, após moradores do local reclamarem de um afundamento em um trecho da calçada. Segundo eles, a passagem pertence a uma casa abandonada, mas nem os proprietários ou a prefeitura tomam qualquer providência. De acordo com os cidadãos, idosos caem constantemente no local e, além disso, o afundamento acumula água quando chove e se tornando um espaço propicio para proliferação da dengue. “Essa calçada já está abandonada há muito tempo e ninguém toma uma providencia. Quando chove temos que desviar das poças de água, além disso, temos que atravessar no meio fio, correndo o risco de sermos atropelados. É um grande transtorno, pois, esse é um caminho que faço diariamente. Sobretudo, por acumular água quando chove, ainda tem o risco da dengue se proliferar. Sem contar que é praticamente em frente à Prefeitura, ou seja, um descaso desse tão perto do poder público”, relata a dona Maria Aparecida Costa, que passa pela calçada todos os dias.

Para Sueli Faria, já que os proprietários não tomam providencia, seria o poder público que teria que achar uma solução. “Eu já procurei pela prefeitura, mas, eles não me deram uma solução. Aqui cai muita gente, eu mesma já ajudei algumas idosas que acabaram levando um tombo ao passar pela calçada. Não dá para passar direito, muitas vezes temos que passar pela rua, com risco de sermos atropelados. Já que o proprietário até agora não fez nada, eu acho que o poder público deveria vir aqui amenizar a situação, pelo menos dá um jeitinho na calçada e colocar algo que proíba os carros e caminhões de estacionarem aqui”, afirma a aposentada.

“Eu já procurei pela prefeitura, mas eles não me deram uma solução. Aqui cai muita gente, eu mesma já ajudei algumas idosas que acabaram levando um tombo ao passar pela calçada”, destaca a moradora, Sueli Faria. Foto: Isla Gomes/O Diário

Mais relatos
Isaias Mota trabalha na região há mais de uma década e salienta sua indignação quanto aos “dois pesos e duas medidas” que as autoridades supostamente usam, sendo rápidos em multar coisas pequenas e lentos para ajudar em situações mais graves. “Eu trabalho aqui na rua como sindico há 12 anos, essa calçada daqui é uma vergonha. Eu acho que a prefeitura deveria tomar vergonha e dar um jeito sobre isso. Quando nós cidadãos fazemos alguma coisa de errada, como por exemplo, colocar algum objeto na calçada, somos multados na hora, então qual a dificuldade de multar o proprietário desse terreno abandonado que é responsável pela calçada? Tem que fazer alguma notificação pelo menos”, destaca. A aposentada Luiza mora em frente à casa e m questão e diz que de sua janela consegue ver como o imóvel e a passagem estão negligenciadas. “Eu moro em um prédio em frente e de lá conseguimos ver que a casa está completamente abandonada e sem limpeza. O mesmo vale para a calçada da casa, está abandonada, toda quebrada, com mato crescido e o afundamento acumula água da chuva que fica parada ali por dias. Faço um apelo para que as autoridades procurem os proprietários e os notifiquem sobre esse descaso”, conclui a moradora.

“Eu moro em um prédio em frente e de lá conseguimos ver que a casa está completamente abandonada e sem limpeza. O mesmo vale para a calçada da casa. Faço um apelo para que as autoridades procurem os proprietários e os notifiquem”, pontua a aposentada, Luiza. Foto: Isla Gomes/O Diário

A prefeitura informa que a demanda foi encaminhada para a secretaria de Obras e Serviços Públicos para que seja realizada vistoria e, conforme condições de manutenção da calçada, emitida notificação ao proprietário para que providencie o serviço necessário. Além disso, o cidadão que desejar registrar uma solicitação, reclamação ou pedido, pode se dirigir à Ouvidoria Geral pelos seguintes canais: TIA (Teresópolis Inteligência Artificial), por meio do número (21) 2742-8264 (WhatsApp oficial); aplicativo eOuve ou pelo site www.teresopolis.rj.gov.br; e atendimento presencial na Ouvidoria Geral (Av. Lúcio Meira, 375 sala 105 – Centro Administrativo Municipal Manoel Machado de Freitas, Várzea), no antigo Fórum. O atendimento ocorre de segunda a sexta, das 9h às 18h.

“Eu trabalho aqui na rua como sindico há 12 anos, essa calçada daqui é uma vergonha. Eu acho que a prefeitura deveria tomar vergonha e dar um jeito sobre isso”, enfatiza Isaias Mota. Foto: Isla Gomes/O Diário


Edição 18/05/2024
Diário TV Ao Vivo
Mais Lidas

Sepultado o servidor público André Luiz

Restaurante Donna Tê realiza mais uma edição do “Jantar Imperial”

Portais de Hércules, o lugar mais bonito da Serra dos Órgãos

SPVAT: entenda o que muda com o novo seguro de trânsito

PM apreende motos que eram de leilão em Bonsucesso

WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE