Cadastre-se gratuitamente e leia
O DIÁRIO DE TERESÓPOLIS
em seu dispositivo preferido

MP consegue exoneração de funcionários com parentesco na administração

A farra do nepotismo, prática muito comum em um modelo de política administrativa ultrapassada e ilegal ainda em vigência em muitos municípios de nosso país, incluindo Teresópolis, levou o Ministério Público de nosso estado a conseguir uma importante vitória e que abre precedentes importantes para toda nossa região. O MP, através da 1ª e 2ª Promotorias de Justiça de Tutela Coletiva de Magé, obteve a exoneração de quatro servidores comissionados da Prefeitura de Guapimirim. Todos possuíam grau de parentesco com nomeados a cargos comissionados na administração municipal, a exemplo do que também denunciou aqui em nosso município, o Sindicato dos servidores públicos municipais, com relação à contratação da filha do prefeito Mario Tricano para duas secretarias de sua gestão. A repercussão da decisão deve chegar a terras teresopolitanas, já que o processo movido pelo SINDPMT segue em tramitação na Justiça.

A farra do nepotismo, prática muito comum em um modelo de política administrativa ultrapassada e ilegal ainda em vigência em muitos municípios de nosso país, incluindo Teresópolis, levou o Ministério Público de nosso estado a conseguir uma importante vitória e que abre precedentes importantes para toda nossa região. O MP, através da 1ª e 2ª Promotorias de Justiça de Tutela Coletiva de Magé, obteve a exoneração de quatro servidores comissionados da Prefeitura de Guapimirim. Todos possuíam grau de parentesco com nomeados a cargos comissionados na administração municipal, a exemplo do que também denunciou aqui em nosso município, o Sindicato dos servidores públicos municipais, com relação à contratação da filha do prefeito Mario Tricano para duas secretarias de sua gestão. A repercussão da decisão deve chegar a terras teresopolitanas, já que o processo movido pelo SINDPMT segue em tramitação na Justiça.
No último dia 13 de julho, o MPRJ expediu recomendação solicitando a exoneração de cônjuges, companheiros ou parentes, em linha reta, colateral ou por afinidade, até o terceiro grau, que ocupam cargos municipais comissionados no município. Os quatro afastados dos cargos foram Viviane Aparecida Gomes Alves, mulher do presidente da Câmara Municipal de Guapimirim; Fabiano de Souza Costa, filho do secretário municipal de Turismo; Simone da Silva Pinto Pais, cunhada da secretária municipal de Educação; e Veronica Lima Pagan Rodrigues, mulher do secretário municipal de Segurança Ordem Pública e Defesa Civil.  
De acordo com as Promotorias de Justiça, outros quatro funcionários mencionados na recomendação não foram exonerados. Portanto, o MP ajuizou, na quinta-feira, 27, a ação civil pública contra o prefeito de Guapimirim. Nela, o Ministério Público demanda a exoneração dos funcionários, conforme solicitava o ofício. O Ministério Público requer também que o prefeito seja proibido de nomear para cargos em comissão parentes dos Gestores Municipais, de Secretários e de Vereadores. Além disso, a ação demanda que o réu seja condenado nas penalidades previstas no artigo 12, inciso III, da Lei nº 8429/1992, conhecida como Lei de Improbidade Administrativa, que determina, entre outras penas, a perda dos direitos políticos pelo período de três a cinco anos e o ressarcimento integral do dano causado ao erário.
A ação movida pelo SINDPMT, e que pede o afastamento imediato da filha do prefeito, Carla Tricano do cargo de secretária, está baseada nos princípios contidos no Artigo 37 de nossa Constituição, que versa sobre a administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, obedecendo aos princípios da legalidade e impessoalidade. A justificativa da ação também cita a Súmula Vinculante número 13, do STF, que diz: “A nomeação de cônjuge, companheiro ou parente em linha reta, colateral ou por afinidade, até o terceiro grau, inclusive, da autoridade nomeante ou de servidor da mesma pessoa jurídica investido em cargo de direção, chefia ou assessoramento, para o exercício de cargo em comissão ou de confiança ou, ainda, de função gratificada na administração pública direta e indireta em qualquer dos poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, compreendido o ajuste mediante designações recíprocas, viola a Constituição Federal”, diz a Lei.

Tags

Compartilhe:

Edição 20/06/2024
Diário TV Ao Vivo
Mais Lidas

Montanhista é atropelado na rodovia Rio-Teresópolis

“CADÊ O DINHEIRO DO ROTATIVO?”: Gratuidade da passagem de idosos entre 60 e 64 anos pode ser suspensa em Teresópolis

Mulher grávida participa de assalto em Vieira

Delino Tomé corre mais de 900 quilômetros em 14 dias seguidos

Cantor Chrystian morre em São Paulo, aos 67 anos

WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE