Cadastre-se gratuitamente e leia
O DIÁRIO DE TERESÓPOLIS
em seu dispositivo preferido

Polícia investiga acidente com lareira em restaurante

Despejo de líquido inflamável teria causado situação. Cliente teve 40% do corpo queimado

Isla Gomes

Por volta das 22h do sábado (11), véspera do Dia das Mães, dois clientes de um restaurante no bairro Araras sofreram queimaduras quando um garçom tentou acender a lareira localizada no centro de uma mesa feita de tijolos – segundo a imagem de uma câmera de segurança que circula pela internet e que mostra o momento em que um funcionário se aproxima segurando um recipiente branco contendo líquido inflamável e derrama na pequena área reservada às chamas, ocorrendo a grande labareda em seguida. O caso ganhou destaque na grande imprensa nesta segunda-feira (13), com reportagem publicada pelo jornal O Globo.
Ainda segundo o que foi registrado pela câmera, em volta do espaço estão cinco pessoas, sendo três mulheres e dois homens, um deles em pé. Assim que o garçom derrama o líquido na fenda existente no centro da mesa, uma enorme labareda sobe e atinge as pessoas. Os dois homens que, assim como o próprio garçom, estavam mais próximos ao local, onde a chama se propagou ficaram feridos e foram levados para o Hospital das Clínicas de Teresópolis (HCTCO). Segundo apurado pelo Diário, a vítima mais afetada está entubada. Trata-se de um homem que tem em torno de 40 anos e teve 40% do corpo queimado pelas chamas.

O que diz a polícia
Nossa equipe esteve na 110° Delegacia de Polícia para elucidar o caso com o delegado titular da PCERJ no município. “Assim que tivemos conhecimento do caso encaminhamos uma perícia para o local. Prontamente intimamos o dono do estabelecimento e o garçom. Além disso, a princípio tem um inquérito instaurado de lesão corporal gravíssima, que tem pena de reclusão de dois a oito anos. Dependendo do que analisarmos pode ser acrescentada até uma tentativa de homicídio, pois o fato é muito grave, tendo uma vítima com grande risco de morte por conta do ocorrido. Estamos apurando se era mesmo álcool líquido comum no recipiente e se havia um treinamento adequado para se utilizar desta técnica da lareira na mesa, este fato não ficará impune”, ressalta Márcio Dubugras.
Nesta segunda-feira, também tentamos um posicionamento de representante do estabelecimento comercial. No local, um suposto gerente tentou desconversar sobre a situação e passou o contato da pessoa que seria a proprietária, que não respondeu nosso contato até o fechamento desta edição.

Venda de álcool líquido é proibida
Ainda não se sabe o conteúdo do recipiente que acabou gerando tal situação, mas importante frisar que o Poder Público proibiu, desde 2002, a venda de álcool líquido com percentual igual ou superior a 54 GL em estabelecimentos comerciais como supermercados e farmácias. A medida, no entanto, foi temporariamente revogada, em 2020, durante a pandemia de Covid-19, uma vez que, na época, o álcool usado para a higienização de mãos e objetos ajudava a evitar a disseminação do vírus. O prazo final previsto pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária para a comercialização de álcool líquido é o dia 29 de abril. “A partir daí, a disponibilidade será apenas em outras formas físicas, como gel, lenço impregnado, aerossol”, explicou a Anvisa.

Edição 23/05/2024
Diário TV Ao Vivo
Mais Lidas

Lula avalia vetar taxação federal de compras internacionais até US$ 50

Centro Operacional da GCM homenageia Márcio Catão

Chuvas já mataram 163 pessoas no Rio Grande do Sul

Prefeito de Teresópolis foi ao Tribunal para autorizar festa particular em rua

Vasco da Gama enfrenta o Náutico em Teresópolis

WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE