Cadastre-se gratuitamente e leia
O DIÁRIO DE TERESÓPOLIS
em seu dispositivo preferido

Problema com lixão do Fischer continua sem solução

Caminhões foram impedidos de descarregar as caçambas no local que está cada vez mais precário

Marcus Wagner

Uma nova confusão envolvendo o problemático lixão do Fischer foi causada após vários caminhões serem impedidos de entrar no local para fazer o despejo de entulhos e detritos pelo segundo dia consecutivo. Na terça-feira uma grande fila de veículos se formou aguardando autorização para conseguir descarregar e acabaram passando a manhã e a tarde na espera.  Já nesta quarta-feira, o problema continuou e poucos caminhões puderam entrar. Alvo de interdição por falta de condições de funcionamento, o aterro virou lixão e segue em operação apenas por conta de um acordo judicial obtido pela prefeitura.
Nos últimos dias, apenas veículos a serviço da prefeitura estavam recebendo livre acesso, enquanto os particulares foram limitados a poucas liberações, após uma longa espera. Para os motoristas, autônomos ou a serviço de empresas, a situação é extremamente prejudicial porque eles estão perdendo serviços e clientes porque não conseguem descarregar.
 “Eu vim na semana passada e falaram que não podia entrar, aí voltei para casa. Fiquei oito dias com o caminhão carregado, perdi cinco fretes, perdi dinheiro porque o freguês liga para mim e não posso trabalhar”, contou Sebastião Maia.
De acordo com os motoristas que estavam na fila, a alegação da administração do lixão é que as chuvas dos últimos dias estava impedido o trafego no local e que também falta pessoal para operar os tratores que poderiam trabalhar para consertar o acesso.
Nossa reportagem conversou também com responsáveis por empresas que alugam caçambas e a reclamação é que já existe uma grande quantidade de material acumulado até em depósitos próprios enquanto os caminhões não podem fazer a quantidade de viagens necessária para o descarte. Quando algum caminhão consegue entrar, dificilmente tem liberação para fazer outra viagem com mais material no mesmo dia. Dessa forma, eles não estão podendo atender os clientes que os procuram e o prejuízo só aumenta.

Nota da prefeitura
A Secretaria de Serviços Públicos informou através de nota da assessoria de comunicação da prefeitura que “o acesso das vias internas do aterro sanitário foi dificultado nesta quarta-feira, 8, devido a um trator que atolou, impedindo a passagem dos caminhões. A liberação do acesso ocorrerá assim que a chuva permitir a realização do trabalho. Já o descarte de entulhos de obras e de outros materiais é feito pelos caminhoneiros em terreno particular na Estrada do Comandante, na Prata”. 

Problema longe de solução
Também questionamos sobre a definição de um novo local para o despejo do lixo em substituição ao local atual, porém a assessoria não respondeu. A promessa de uma escolha se arrasta e anda quase esquecida, mas volta a tona em casos como este que escancaram a urgência de uma solução.

Interdição
No dia 6 de março de 2018, fiscais do Instituto Estadual do Ambiente, acompanhados de representantes do Ministério Público, passaram a manhã no quilômetro 75 da Estrada Rio-Bahia, no bairro do Fischer. O motivo da fiscalização foi analisar a situação do outrora aterro sanitário do município, inaugurado dez anos atrás e um depósito de lixo a céu aberto há pelo menos quatro anos. Após várias horas de trabalho de campo, e constatação que o local não poderia estar sendo mais utilizado, pois além da sobrecarga faltam todos os requisitos exigidos para o funcionamento de empreendimento do tipo, o local foi interditado. Uma semana depois, a prefeitura conseguiu uma liminar para liberar o funcionamento do local até conseguir viabilizar uma solução alternativa.

Protesto dos caminhoneiros
O volume de descarte diário de resíduos continua sendo grande e consequentemente não há mais espaço físico para tal função, gerando interdições momentâneas do acesso de veículos de carga e protestos envolvendo a categoria que precisa de um local para depositar lixo de todo o tipo. Em junho do ano passado, um grande grupo de profissionais que trabalha com o serviço de caçambas em Teresópolis realizou buzinaço e fechou a Avenida Feliciano Sodré até ser recebido por representantes do governo Vinicius Claussen. Naquela ocasião, a prefeitura informou também através de nota que iria “avaliar o caso para diagnosticar a melhor forma de descarte”.

 

Tags

Compartilhe:

Edição 25/05/2024
Diário TV Ao Vivo
Mais Lidas

Mudanças na temperatura podem provocar gripes e resfriados

Grandes apreensões de drogas na Barra e Vale da Revolta

Lojistas do Regadas notificados para confirmação de festa

Cultura de Raiz tem edição especial neste domingo para comemorar as festas juninas

Polícia Militar reforça patrulhamento ostensivo em Teresópolis

WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE