Cadastre-se gratuitamente e leia
O DIÁRIO DE TERESÓPOLIS
em seu dispositivo preferido

Reajuste dos servidores: Sem conseguir reajustar o próprio salário, Vinícius promete veto à emenda

Prefeito já perdeu, na Justiça, aumento que deu aos secretários dois anos atrás, e beneficiados poderão ter de devolver o aumento recebido
prefeitura

Wanderley Peres

Revoltado com a derrota na Câmara Municipal, quando na sessão extraordinária desta terça-feira, 20, apenas cinco vereadores votaram pelo reajuste de salário dos agentes políticos do governo – prefeito, vice-prefeito e secretários -, os demais presentes votando pelo reajuste de 4,62% somente para os servidores públicos e comissionados, o prefeito publicou na página da Prefeitura, nesta terça-feira, 20, que não vai dar o aumento para ninguém, alegando inconstitucionalidade da emenda aprovada por 12 votos a 5, e falta de tempo hábil para decidir antes da elaboração da folha.

Caso fosse concedido os reajustes aos agentes políticos do governo municipal, o salário do prefeito aumentaria para R$ 19.560, do vice-prefeito para R$ 9.780, e cada secretário receberia R$ 14.965.

“Diante da emenda inconstitucional proposta pelo vereador Rangel ao Projeto de Lei enviado pelo executivo, que visa a revisão geral anual dos vencimentos dos servidores e cargos do município, torna-se inviável efetuar o pagamento do reajuste acumulado dos meses de janeiro e fevereiro. Não haverá tempo hábil para aplicação do reajuste na folha de fevereiro, que será paga em 05-03”, publicou Vinícius. “O município, conforme a Constituição e decisões judiciais anteriores, vetará a emenda, a que seguirá os trâmites legislativos, e assim aguardará a conclusão do processo legislativo”, escreveu, lamentando que “interesses de cunho político-eleitoral sem respaldo na lei venham prejudicar os ganhos dos servidores públicos”.

A inconstitucionalidade, no entanto, estaria não na retirada do prefeito e os seus do reajuste anual, como, providencialmente, fez a Câmara. A ilegalidade estaria na inserção do privilegiado grupo para receber o reajuste, porque prefeito, vice e secretários são agentes políticos de um governo, e não servidores comissionados. Os salários de prefeito, vice e vereadores devem ser definidos no último ano do mandato, valendo para o próximo eleito.

Ação nesse sentido, inclusive, está em curso no Supremo Tribunal Federal, que ainda vai decidir se é constitucional lei municipal que preveja revisão geral anual do subsídio de agentes políticos na mesma legislatura.

Ainda sem data de julgamento, a ação já tem parecer da Procuradoria Geral da República, que diz ser inconstitucional lei municipal que reajuste o subsídio de agentes políticos municipais, por ofensa ao princípio da anterioridade, previsto no artigo 29, VI, da Constituição Federal. “É inconstitucional lei municipal que prevê o reajuste anual do subsídio de agentes políticos municipais, por ofensa ao princípio da anterioridade, previsto no artigo 29, VI, da Constituição Federal”, afirmou o PGR Augusto Aras.

Para o presidente do STF, ministro Luiz Fux, relator do recurso, o julgamento tem potencial efeito em outros casos, tendo em vista o impacto orçamentário decorrente da previsão de revisão anual de subsídio de prefeito, pois gera reflexos na remuneração ou nos proventos de diversos servidores vinculados à administração pública direta do município. O ministro citou, inclusive, precedentes do Supremo a respeito da impossibilidade de majoração dos subsídios dos agentes políticos municipais para a mesma legislatura, por contrariedade ao princípio da anterioridade, e propôs a reafirmação da jurisprudência dominante”.

“Secretários e prefeitos iriam receber quase R$ 1 mil de aumento, enquanto o trabalhador comum da Prefeitura receberá menos de 100 reais. Por isso fizemos a aprovação do reajuste na sessão extraordinária, a tempo da elaboração da folha, e antes de terminar a reunião o prefeito já estava postando que não pagaria o reajuste aprovado porque a câmara teria cometido uma inconstitucionalidade ao tirar o seu aumento”, disse o vereador Rangel, autor da emenda que impediu o aumento dos salários do prefeito Vinícius, do vice Ari e dos seus 22 secretários.

“A repercussão geral em julgamento no STF vai pacificar essa dúvida, se é inconstitucional ou não o aumento dos agentes políticos na revisão geral é dos servidores”, observou o vereador presidente Leonardo Vasconcellos, observando que, no mês que antecede a eleição, tem que ser fixado os proventos dos agentes políticos para o próximo mandato. Em setembro de 2020, os salários dos vereadores teve aumento, da mesma forma, foi aumentado o salário do prefeito, do vice e dos secretários. E vamos votar esse novo salário do próximo prefeito e secretários, do próximo vice-prefeito e dos novos vereadores, respeitando o índice constitucional”, completou.

Capa do jornal O Diário de Teresópolis do mês de fevereiro de 2019

DEJAVU

Prefeito já perdeu, na Justiça, aumento que deu aos secretários dois anos atrás

Aumento que o prefeito Vinícius Claussen concedeu aos seus secretários, em abril de 2022, caiu de vez na Justiça em novembro passado, quando transitou em julgado a decisão do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, que cancelou a Lei Municipal 4185, que deu aos apaniguados do prefeito salário de R$ 14.307,80, devendo a diferença ser cobrada aos beneficiados em ações de iniciativa dos órgãos de controle da administração municipal.

Percebendo o erro que havia cometido, a partir de ação proposta na Justiça pela Câmara Municipal, o prefeito apresentou novo projeto de reajuste à Câmara, promovendo a revisão geral anual dos servidores públicos municipais, e corrigindo o salário de todos os servidores, entre eles secretários e subs, e demais comissionados. Desta vez, o projeto foi apresentado como Lei Complementar, e aprovada a lei por unanimidade, na sessão extraordinária no dia 31 de janeiro de 2023, quando foi atualizada a última vez os salários dos secretários.

A emenda de uma nova lei, no entanto, não corrigiu a falta de rima do soneto anterior, e por terem recebido aumento sem previsão legal, declarada a inconstitucionalidade da Lei n° 4.185, de 20 de abril de 2022, com o efeito ex tunc, retroage o vigor da decisão, justamente o que o prefeito vinha reclamando na ação, em embargos de declaração, quando os seus advogados alegaram obscuridade ao TJRJ, “uma vez que os dispositivos legais que fundamentaram a declaração de inconstitucionalidade não foram objeto de debate entre as partes, e que não foram mencionados por ocasião da petição inicial”, pedindo a modulação, lhe sendo conferida a eficácia ‘ex nunc’ ou, alternativamente, que constasse expressamente da parte dispositiva do acórdão a inexigibilidade de devolução dos valores já recebidos pelos servidores municipais durante a vigência da lei declarada inconstitucional, em atenção aos princípios da boa-fé e da presunção de constitucionalidade das leis, e tendo em vista a natureza alimentar da verba”.

Edição 17/04/2024
Diário TV Ao Vivo
Mais Lidas

Veja como ficam as repartições e atrativos turísticos de Teresópolis no feriado

Barra: 60 dias de trânsito lento na Rua Dr. Oliveira

Teresópolis recebeu etapa do Circuito Carioca Master de Vôlei de Praia

Quatro fontes com água imprópria para consumo em Teresópolis

Moradores da Rui Barbosa denunciam calçada em situação irregular

WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE