Cadastre-se gratuitamente e leia
O DIÁRIO DE TERESÓPOLIS
em seu dispositivo preferido

Governo do Estado vai investir em mais de 100 projetos de jovens pesquisadores

A Faperj (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro) apoiará neste ano 101 projetos de jovens pesquisadores fluminense com vínculo e sem vínculo com instituições de ciência e tecnologia do Estado do Rio de Janeiro. Serão investidos R$ 40 milhões, e cada jovem pesquisador receberá uma bolsa mensal de R$ 8 mil.

A Faperj (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro) apoiará neste ano 101 projetos de jovens pesquisadores fluminense com vínculo e sem vínculo com instituições de ciência e tecnologia do Estado do Rio de Janeiro. Serão investidos R$ 40 milhões, e cada jovem pesquisador receberá uma bolsa mensal de R$ 8 mil.

Há projetos na área da cosmologia; vacina terapêutica contra HIV/Aids; segurança alimentar e obesidade; espécies gigantes do Novo Mundo; memórias de traumas entre gerações, entre outras iniciativas.

Esses programas se somam a outros incentivos mantidos pela Faperj, como o Edital Jovem Cientista do Nosso Estado, que proporciona a pesquisadores com até 10 anos de conclusão de doutorado, contratados por instituições estaduais, uma taxa de bancada mensal de R$ 2,4 mil – este projeto atualmente incentiva 485 pesquisadores. Há também o Programa Nota 10, que apoia mestrandos, doutores e po´s-doutores com bolsas de valores diferenciados

Objetivo é evitar 'fuga de cérebros'

Os programas, inéditos, foram criados e lançados pela Fundação em 2021, a fim de apoiar pesquisadores recém-contratados e atrair novos pesquisadores para as instituições estaduais, de forma a impedir a “fuga de cérebros” – uma tendência observada em doutores e pós-doutores formados em instituições fluminenses que buscam a continuação de suas pesquisas em centros fora do estado ou no exterior.

O secretário estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação, Dr. Serginho, destacou que é imprescindível e obrigação do Estado criar mais oportunidades de financiamento, programas específicos e redes colaborativas para apoiar a independência dos jovens pesquisadores e cumprir as suas ambições científicas.

– Essas ações requerem investimento substancial de recursos, tempo e esforço. Mas eles vão além, pois incorporam uma força de trabalho vital nas instituições do estado para o desenvolvimento da ciência, tecnologia e da inovação – completou o secretário.

– Apostar em pesquisadores em início de carreira é garantir que no futuro o estado e o país tenham condições efetivas de enfrentamento dos seus maiores desafios, pois os jovens cientistas trazem a criatividade e a inovação como suas maiores contribuições científicas – disse Lima.

Tags

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email
Edição 14/05/2022
Diário TV Ao Vivo
Mais Lidas

Notícias falsas nas eleições de 2020 preocupam especialistas

Policial de férias prende acusado de tráfico na entrada da cidade

Magalu vai abrir loja em Teresópolis e inicia processo de contratação

Câmara aprova representação contra o prefeito de Teresópolis

Cedae vai paralisar o sistema principal nesta terça-feira em Teresópolis