Cadastre-se gratuitamente e leia
O DIÁRIO DE TERESÓPOLIS
em seu dispositivo preferido

Mulheres em destaque no turismo do Terceiro Distrito de Teresópolis

Turismo rural, histórico, agroecológico e de compras ganham cada vez mais força em Teresópolis

@ninabenedito

No último dia 08 foi comemorado o Dia Internacional da Mulher, data que celebra a importância da mulher no cotidiano da sociedade no mundo inteiro. No edição do Diário de Teresópolis do último dia 04 foram destacadas algumas mulheres que têm trabalhado para manter o setor de turismo em alta no município e, na deste sábado, mostraremos as mulheres do Terceiro Distrito de Teresópolis que igualmente contribuem para alavancar o turismo rural, agroecológico, histórico cultural, bem como o turismo de compras através de um espaço colaborativo de peças de artesanato e souvenires produzidos por artesãos locais.

Produtora rural Ana Barbosa do Sítio da Roça

Vivência Rural
A produtora rural Ana Barbosa, do Sítio da Roça, é descendente de família italiana, mãe de Vitor e Arthur e avó do Benício. Sua avó veio para o Brasil ainda no ventre de sua mãe no final do século XIX, por volta de 1890. A família passou por imensas dificuldades, vivendo de tudo que a terra produzia e apesar da falta de infraestrutura na região, onde a luz elétrica só chegou em 1988, seus pais conseguiram criar seus 10 irmãos. Ana conheceu seu esposo, Marco que era neto de dona Santinha, como era conhecida na região, uma mulher visionária que colaborou muito com o desenvolvimento da região do Imbiú, foi ela que deu nome a localidade. Mandou construir uma caverna – que hoje é visitada por turistas – para coletar água potável em meio a um surto de febre tifoide. Dona Santinha faleceu aos 86 anos e deixou um legado, colaborando com o turismo rural na região, onde hoje é realizada a visitação de turistas para vivenciarem e experimentarem o café da manhã da roça em uma farta mesa onde é servido bolo de fubá, batata doce, aipim, milho cozido, geleias produzidas com frutas da região, broa de milho feita por “Dona” Ana e muitas outras delícias típicas, além do cafezinho passado em coador de pano. Também é oferecido como experiência o tradicional almoço típico da roça, feito em fogão à lenha com produtos plantados e colhidos na região. A família investiu em uma estufa de morangos, que é visitada no sistema “colhe e pague” pelos turistas através de agendamentos com agências de turismo receptivo como a Ecoplay Tour, especializada em turismo rural em Teresópolis.

Rosana Martuchelli recebe os turistas em seu rancho para conhecerem a agricultura familiar

Experiência Agroecológica
Rosana Martuchelli é uma agricultora descendente de família italiana, mãe de Pedro e Guilherme, esposa de Ednei Pinheiro, que além de agricultor é produtor de cervejas artesanais. Rosana sempre foi uma empreendedora rural, seus pais, agricultores na região, começaram as plantações para o sustento da família em seu rancho. O Sr. Juraci Nogueira, pai da Rosana, foi o maior fornecedor e de hortaliças da região. A mãe, dona Jandira Martuchelli Nogueira, cuidava da lavoura produzindo produtos de subsistência, que era a prática italiana. Após a Tragédia de 2011, Rosana se destacou também como líder local, ajudando na recuperação de toda a região e criando uma associação local para ajudar as famílias vítimas da tragédia, a APROLUC. Com indicação e apoio da Emater, Rosana conheceu a proposta do turismo rural, participou de imersões e capacitações, abrindo o rancho Sabor da Roça para a visitação de turistas, oferecendo almoço típico da roça, “colha e pague” e faz questão de apresentar para os visitantes a importância da agroecologia e da agricultura familiar através de visita guiada as plantações do sítio. É realmente uma experiência incrível de valorização do homem do campo e do alimento produzido de forma sustentável. Rosana Martuchelli se tornou um case de sucesso no turismo rural de Teresópolis.

Maria Elisa faz questão de preparar o café da manhã rural para os turistas que visitam o sítio

Experiência em local histórico
Maria Elisa de Ávila, mãe de Débora, Daniele, Alessandra, Ana, Carolina e Arthur, é proprietária do Sítio Tangará junto com seu esposo Roberto Ribeiro, ambos professores aposentados. O local era a antiga residência de verão do Presidente do Brasil entre 1946 e 1951, Eurico Gaspar Dutra. Uma linda propriedade que a princípio seria destinada para fins educacionais com uma pequena escola ou creche com conceito ecológico, já que ambos são professores. Contudo, devido aos entraves burocráticos o plano educacional não foi a frente. Participaram de oficinas do Sebrae e logo entenderam o potencial turístico do sítio, até serem convidados pela Guia de Turismo Julianna Rocha a criarem um novo produto para as prateleiras do turismo, um café da manhã em estilo rural colonial para os seus clientes. Investiram na proposta e hoje abrem as portas do histórico Sítio Tangará para turistas e visitantes locais mediante a reservas através das agências de turismo receptivo do município.

A professora Regina Furtado Lippi em trajes de época recepciona os turistas com histórias do Museu

Turismo Histórico
A professora Regina Furtado é esposa de José Luiz Lippi Leite, neto e herdeiro de José Francisco Lippi, um importante comerciante de origem italiana que imigrou para o Brasil no século XIX, em meados de 1889 instalando-se em Vila Nova, distrito de Teresópolis, hoje Venda Nova. O imigrante construiu um armazém naquela localidade para fazer de estoque de seus produtos vendidos para importantes parceiros comerciais da capital, entre eles a Confeitaria Colombo, fornecendo marmelo para a produção de marmelada da confeitaria. O casal herda o Sobrado em 1990, e já em 1997 decidem se mudar do centro para a área rural do Terceiro Distrito do município. Regina encontra nos porões da então residência móveis de época, documentos e fotos que retratavam a história do vilarejo de Vila Nova e da trajetória do italiano José Francisco Lippi e decide então reunir todo o material histórico encontrado e em 2004 abre as portas de sua casa para a visitação. Após uma árdua batalha, Regina entrou com o processo de criação do então Museu Sobrado Histórico José Francisco Lippi, possui cadastro no IBRAM (Instituto Brasileiro de Museus), detém o título de utilidade pública municipal, já recebeu prêmios Lions de Cultura e é certificado do Tour da Experiência da Serra Carioca em 2012. O casal recepciona os visitantes, com trajes de época e contam as histórias da família, preservando assim a cultura local através do Turismo Histórico.

Monica Deluqui resgata o valor cultural e turístico de Teresópolis através de espaço coletivo

Turismo de compras artesanais
Mônica Deluqui é psicóloga de formação, executora de projetos empresariais e culturais. Especializada em cultura, desenvolvimento de território e geração de renda. Foi psicóloga clínica, pesquisadora e professora na década de 80. Direcionou sua trajetória profissional para o universo social e cultural já tendo trabalhado em algumas ongs e para o Ministério da Cultura como técnica em oficinas do Sistema Nacional de Cultura. Ministrou aulas de Cultura e Projetos Turísticos na Pós de Turismo da UCAM/RJ. Em 2019 lançou o coletivo de artesãos no espaço Vem da Serra, os Artesãos da Estrada, que reúne 23 artesãos locais. A loja é colaborativa, com artesanato, livros, informações sobre turismo e gastronomia na região, souvenires e uma cafeteria, além de realizar oficinas de criação e confecção de artesanato, gerando renda para esses profissionais. A grande missão do espaço é, sem dúvida, a valorização da identidade cultural local.

Compartilhe:

Edição 17/04/2024
Diário TV Ao Vivo
Mais Lidas

Veja como ficam as repartições e atrativos turísticos de Teresópolis no feriado

Barra: 60 dias de trânsito lento na Rua Dr. Oliveira

Teresópolis recebeu etapa do Circuito Carioca Master de Vôlei de Praia

Quatro fontes com água imprópria para consumo em Teresópolis

Moradores da Rui Barbosa denunciam calçada em situação irregular

WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE